Categorias
Pandemia

Bispos pedem aos padres maior disponibilidade para atender confissões

 

Ao contrário do ano passado, a maioria das dioceses ainda possuem certa liberdade para o culto e administração dos sacramentos. Pensando nisso é essencial que os sacerdotes estejam disponíveis para o povo.

A Conferência Episcopal Espanhola, à luz das orientações emitidas em Roma pelo já ex-prefeito da Congregação para o Culto Divino – o cardeal Sarah -, emitiu orientações para as celebrações desta Semana Santa.

No ano passado, não foi possível celebrar os sacramentos durante a semana mais importante do ano. Este ano, apesar de a pandemia ainda estar presente, poderemos assistir a essas comemorações marcantes; sim, com medidas e restrições.

Leia também
Por que nem todos podem comungar?

Como já sabemos, todos os católicos tem obrigação confessar no mínimo uma vez por ano, conforme manda a Santa Igreja, porém a recomendação é que seja feita com frequência, isso significa aproximadamente uma vez por mês. A Confissão não pode ser encarada como uma obrigação, e sim uma oportunidade de receber a misericórdia de Deus.

Um dos mandamentos da Igreja, exige que a confissão seja feita no mínimo uma vez por ano. Esse requisito está vinculado à recepção da Santa Comunhão, como explica o Código de Direito Canônico (CDC) e o Catecismo da Igreja Católica (CIC).

Cânon 989 do CDC: “Todo fiel, depois de te chegado à idade da discrição, é obrigado a confessar fielmente seus pecados graves, pelo menos uma vez por ano.”

O Catecismo explica ainda que, para receber adequadamente a Santa Comunhão, é preciso sempre confessar pecados graves com antecedência, enquanto o Código de Direito Canônico especifica ainda mais:

Quem está consciente de pecado grave não celebre a missa nem comungue o Corpo Senhor, sem fazer antes a confissão sacramental, a não ser que exista causa grave e não haja oportunidade para se confessar; nesse caso, porém, lembre-se que é obrigado a fazer um ato de contrição perfeita, que inclui o propósito de se confessar quanto antes.” (CDC 916)

Leia também
O que é Pecado Mortal, o maior obstáculo para nossa salvação?

Basicamente, é necessário que você se confesse uma vez por ano, se você pretende receber a Comunhão uma vez por ano. Por outro lado, se você deseja receber a Comunhão semanal ou diariamente, precisará confessar com maior frequência, e principalmente quando estiver “consciente de um pecado grave”, nestes casos é preciso buscar a confissão imediatamente. É importante recordar que apenas um pecado grave (não confessado) é suficiente para uma pessoas receber a condenação eterna.

Os bispos espanhóis divulgaram uma série de normas para viver esses dias respeitando a situação de saúde e recomendando, entre outras coisas, comparecer pessoalmente. Eles também aconselharam que o Sacramento da Penitência seja cuidado e encorajado. “Os sacerdotes são chamados a estar mais disponíveis para que os fiéis possam celebrar este Sacramento, com todas as medidas cautelares, distância social e discrição”, escrevem.

Leia também
Veja aqui um excelente Exame de Consciência para uma boa Confissão

As principais diretrizes são as seguintes:

  1. Sempre que possível, a partir de um discernimento responsável que cada fiel deve fazer, recomenda-se que participem pessoalmente da celebração, participando ativamente da assembleia.
  2. Os fiéis que por idade, doença ou prudência sanitária não podem participar pessoalmente das celebrações, acompanham-nos através dos meios de comunicação.
  3. Em todas as celebrações devem ser respeitadas as normas emanadas das autoridades sanitárias no combate ao vírus: a capacidade dos templos, as recomendações sanitárias e higiénicas para tornar os locais de culto espaços saudáveis ​​e seguros, o uso da máscara, a disponibilidade de gel hidroalcoólico, distância social, ventilação de espaços, etc.
  4. Prepare as celebrações com muito cuidado, escolhendo bem as alternativas propostas pela Liturgia e acolhendo as indicações para adaptá-las a este tempo de pandemia.
  5. Nas diferentes celebrações, o número de ministros participantes – acólitos, leitores, etc. – deve ser reduzido ao mínimo necessário, sem que isso prejudique a dignidade da celebração.
  6. Não é proibido cantar, desde que não haja indicação expressa das autoridades sanitárias e seja feito com as devidas medidas de precaução – uso de máscara em todos os momentos e a uma distância segura entre as pessoas. Canto ou música gravada não é aconselhável.
  7. Evite a distribuição de subsídio para canto em papel, ou qualquer tipo de folheto explicativo da festa, pelo risco que acarretam em caso de possível contágio.
  8. Instrui os fiéis a receberem a comunhão de maneira segura e ordenada, segundo as disposições do Bispo diocesano, zelando para que este gesto central da celebração seja realizado da melhor maneira possível.
  9. Para o bem dos fiéis, caso a capacidade permitida nas igrejas constitua um grave problema de participação, o Bispo diocesano pode autorizar várias celebrações no mesmo templo em horários sucessivos, desde que cumpra verdadeiramente por o benefício dos fiéis e em circunstâncias de real necessidade.
  10. Para que os doentes e as pessoas em reclusão ou em situação de risco possam acompanhar as celebrações desde as suas casas, é encorajado que sejam transmitidas as celebrações presididas pelo Bispo na catedral, como sinal de unidade da diocese. Certifique-se de que essas celebrações sejam verdadeiramente exemplares em sua preparação e desenvolvimento. Em qualquer caso, as gravações atrasadas deles são excluídas.
  11. Quando as celebrações não podem ser realizadas com a participação do povo, ofereça aos fiéis a possibilidade de celebrar a Liturgia das Horas, especialmente as Laudes e Vésperas de cada dia e o Ofício da Leitura. Para isso, o subsídio La Hora de Jesús, que contém os textos das celebrações da Semana Santa e que inclui também a Liturgia das Horas para estes dias, pode ser um instrumento muito útil. Recorde-se também que pode fazer uso do aplicativo oficial da Liturgia das Horas para dispositivos móveis, recentemente publicado pela Conferência Episcopal.
  12. Os padres afetados pelo vírus e confinados também procuram celebrar os diversos ritos, tanto quanto possível e se a saúde o permitir.
  13. É altamente recomendável que o Sacramento da Penitência seja nutrido e promovido. Os sacerdotes são chamados a estar mais disponíveis para que os fiéis possam celebrar este Sacramento, com todas as medidas cautelares, distância social e discrição.

Traduzido de InfoVaticana

Leia também
“Quem comunga em pecado mortal, comunga sua própria condenação!”