Categorias
Pandemia

Arquidiocese de Madri retira a recomendação de receber comunhão na mão

De acordo com a Cope Religion (de propriedade da Conferência Episcopal Espanhola), a Arquidiocese de Madri retirou todas as restrições impostas, o que implica que deixa de valer a recomendação para receber a Comunhão na mão. As máscaras continuarão a ser obrigatórias dentro dos templos por regulamentos gerais.

Em carta endereçada aos padres diocesanos, o vigário-geral da arquidiocese de Madri, Avelino Revilla, informou que, “devido à evolução favorável da situação de saúde”, a partir de sexta-feira, 11 de março, as celebrações serão realizadas apenas de acordo com o que está contido nos livros litúrgicos.

Como explicou a Eclesia Daniel Escobar, delegado episcopal da Liturgia, “não haverá restrição” própria além do que está estipulado nas normas sanitárias vigentes em todos os momentos” na Comunidade de Madrid, entre as quais agora inclui a recomendação de usar uma máscara dentro de casa ou ventilar adequadamente.

Portanto, “volta à mesma situação litúrgica que existia na véspera da entrada em vigor do estado de alarme e algumas das recomendações que geraram alguma controvérsia foi a de comunhão exclusivamente na mão serem suprimidas” por razões higiênicas de proteção contra possível contágio. Uma recomendação que devido aos dados favoráveis da pandemia seja suprimida.

Em relação à situação indicada pelo Ministério da Saúde, Consumo e Assistência Social, vinculada à expansão do coronavírus na Espanha, o secretário-geral da Conferência Episcopal Espanhola fez algumas indicações sobre algumas diretrizes compartilhadas por inúmeras dioceses e pela Igreja na Espanha.

Por exemplo, a conveniência de remover água benta das estacas nas entradas das igrejas e outros locais de devoção; a possibilidade de oferecer na celebração da Eucaristia outro gesto de paz diferente do habitual de abraçar ou apertar as mãos daqueles que estão próximos; que as pessoas que distribuem a comunhão durante a da Eucaristia, lavam as mãos antes e depois deste momento ou que os sinais de devoção e afeto para com as imagens, tão típicas desta época da Quaresma e na próxima Semana Santa, possam ser substituídas por outras como inclinação ou reverência, evitando o contato físico com eles, e facilitando um tempo mais rápido para evitar multidões.

Leia também
Vaticano: É proibido impedir comunhão na boca, mesmo que seja para se evitar epidemias