Categorias
Notícias

Arcebispo do Vaticano: os que dizem que Judas está no inferno são ‘hereges’ e os padres podem ‘acompanhar’ suicídios assistidos

 

LifeSiteNews ) – Em uma declaração difícil de conciliar com as Escrituras e a Tradição, o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida, afirmou em nome da Igreja Católica que quem diz que Judas Iscariotes está no inferno é um herege.

Em uma declaração ainda mais perturbadora, o arcebispo italiano também afirmou que um padre pode legitimamente permanecer na cabeceira de alguém que sofreu suicídio assistido para “segurar a mão” e “acompanhá-la”.

Os comentários do arcebispo Paglia vieram em 10 de dezembro, na apresentação de um Simpósio Internacional de  Religião e Ética Médica: Cuidados Paliativos e Saúde Mental do Idoso , realizado em Roma, de 11 a 12 de dezembro. O simpósio, co-patrocinado pela Academia Pontifícia para a Vida e pela Cúpula Mundial de Inovação em Saúde (WISH), uma iniciativa da Fundação Qatar, concentra-se principalmente nas perspectivas cristã e muçulmana sobre questões de fim da vida.

Após a apresentação formal no gabinete de imprensa da Santa Sé na terça-feira, um jornalista pediu ao arcebispo Paglia suas opiniões sobre uma declaração de 5 de dezembro  emitida  pelos Bispos da Suíça, exigindo que padres e cuidadores católicos saiam da sala antes de uma injeção letal ou outra meios de suicídio são administrados. 

documento  de 30 páginas  dos Bispos suíços, intitulado “Comportamento pastoral em relação à prática do suicídio assistido”, é uma resposta ao aumento das taxas de suicídio assistido na Suíça. Ele afirma que o suicídio assistido “é radicalmente contra a mensagem do Evangelho” e sua prática “é um ataque sério à preservação da vida da pessoa humana que deve ser protegida da concepção até a morte natural”.

O arcebispo Paglia, que atua como chanceler do novo Instituto João Paulo II de Ciências do Casamento e da Família em Roma (e presidiu a demolição do antigo instituto), disse que não leu a declaração emitida pelos bispos suíços “em detalhes”, mas não lê ” Não acredito que “alguém deva ser abandonado”. 

“Somos contra o suicídio assistido porque não queremos fazer o trabalho sujo da morte e porque todos sabemos que, para os crentes, a vida continua”, continuou ele. “Acompanhar e segurar a mão dos que estão morrendo” é, portanto, a “grande tarefa” de todo crente, disse ele, além de combater a cultura do suicídio assistido, que representa “uma grande derrota para a sociedade”. 

“Não podemos transformar [suicídio assistido] em uma escolha sábia”, disse ele. 

O arcebispo Paglia esclareceu: “Eu sempre celebro funerais para aqueles que cometem suicídio, porque o suicídio é sempre uma questão de amor não realizado. Também devemos lembrar que, para a Igreja Católica, se alguém diz que Judas está no inferno, ele é um herege. ”

A afirmação de que dizer que Judas está no inferno é equivalente a heresia é surpreendente, dado o claro ensino das Sagradas Escrituras, os Pais e Médicos da Igreja e a liturgia. Como o cardeal Avery Dulles explicou uma vez em  um artigo  intitulado ‘A população do inferno’: 

“O Novo Testamento não nos diz em tantas palavras que uma pessoa em particular está no inferno. Mas várias declarações sobre Judas dificilmente podem ser interpretadas de outra maneira. Jesus diz que manteve todos aqueles que o Pai lhe deu, exceto o filho da perdição (João 17:12). Em outro momento, Jesus chama Judas de demônio (João 6:70), e mais uma vez diz sobre ele: “Seria melhor para esse homem se ele nunca tivesse nascido” (Mateus 26:24; Marcos 14:21). Se Judas estivesse entre os salvos, essas afirmações dificilmente poderiam ser verdadeiras. Muitos santos e médicos da Igreja, incluindo Santo Agostinho e Santo Tomás de Aquino, tomaram como verdade revelada que Judas foi reprovado. Alguns Padres colocam o nome de Nero na mesma empresa selecionada, mas não fornecem listas longas de nomes, como Dante faria.

De fato, as Escrituras Sagradas, o Papa São Leão, o Grande,  Santo Agostinho , Santo Tomás de Aquino, Santa Catarina de Siena, o  Catecismo do Concílio de Trento e a liturgia da Igreja   são todos de  um acordo  quanto ao destino de Judas Iscariotes. . 

Além disso, como os cânones 750 e 751 confirmam (assim como o motu proprio Ad tuendam fidem , de 1998, do Papa João Paulo II  ),  para que qualquer afirmação seja qualificada como heresia, ela deve contradizer a Revelação Divina; de acordo com o que a Igreja propôs como divinamente revelada, em nenhum lugar da Sagrada Escritura ou Tradição se diz que Judas não está no inferno.

Questionado se um padre pode “acompanhar uma pessoa que se suicida assistida”, o arcebispo Paglia disse que a questão “vai além das leis” e que “não deseja estabelecer uma regra para contradizer e assim por diante”.

“Gostaria de remover a ideologia dessas situações para sempre e para todos”, disse o arcebispo. “Para mim, aqueles que tiram suas próprias vidas manifestam o fracasso de toda a sociedade, mas não de Deus. E Deus nunca abandona ninguém. 

“Vamos evitar ficar presos em debates ideológicos”, disse ele. “O mais importante é o acompanhamento. Pensamos em leis quando o mais sério é o abandono de milhares e milhares de pessoas doentes, mesmo quando existe uma lei. Talvez porque não recebam votos.

Em comentários ao LifeSite, um padre próximo ao Vaticano, falando sob condição de anonimato, disse: “Francamente, o primeiro abandono que um católico e um padre devem se preocupar é o possível ou provável abandono de uma alma dessa pessoa no inferno, isto é, sobrenaturalmente provocou o abandono e o suicídio da alma por ter abandonado voluntariamente a lei de Deus, Seu plano e Seu amor … então podemos conversar sobre outros assuntos … ” 

“O verdadeiro acompanhamento neste caso significa procurar estar perto, sim, mas isso não significa escandalosamente segurar sua mão enquanto eles cometem pecado mortal, como se tolerassem ou permanecessem indiferentes a ele e fossem percebidos como tal. Um sacerdote deve procurar, acima de tudo, salvar uma alma, dizendo a ela o que está em jogo e não abandonando-a ao seu mau julgamento. De fato,  isso  seria um verdadeiro abandono, embora talvez seja menos problemático para um padre e permita que ele continue sendo elogiado pelo mundo ”, disse ele. “Mas o nosso não é o espírito ou critério do mundo. Somos criaturas do reino dos céus que desejam alcançar nosso verdadeiro lar. ”

Via LifeSiteNews