Categorias
Traditionis Custodes

Arcebispo Aguer: ‘Traditionis Custodes’ é um retrocesso lamentável

Mons. Héctor Aguer, Arcebispo emérito de La Plata, província de Buenos Aires, escreveu um texto no qual apresenta a incoerência do último motu proprio do Papa Francisco, Traditionis Custodes, que visa a perseguição da Missa Tradicional em Rito Romano:

O latim foi durante séculos o vínculo de unidade e comunicação na Igreja Ocidental. Hoje não foi apenas abandonado, mas é também odiado. Nos seminários, o seu estudo é negligenciado, justamente por não ser útil. Não se percebe que deste modo o acesso directo aos Padres da Igreja Ocidental, muito importante para os estudos teológicos, está fechado: penso, por exemplo, em Santo Agostinho e em São Leão Magno, e em autores medievais como Santo Anselmo e São Bernardo. Esta situação parece-me um sinal de pobreza cultural e ignorância intencional.

O actual Pontífice declara que deseja continuar na busca constante da comunhão eclesial mas, para efectivar este propósito, elimina a obra dos seus predecessores ao colocar limites e obstáculos arbitrários ao que se estabeleceu com intenção e respeito ecuménico intra-eclesial pela liberdade dos sacerdotes e dos fiéis! Promove a comunhão eclesial ao contrário. As novas medidas implicam um retrocesso lamentável.

Parece que o julgamento que a Igreja faz, em sua instância máxima, do curso da vida eclesial procede segundo dois pesos e duas medidas: tolerância, e mesmo apreciação e identificação com as posições heterodoxas em relação à grande Tradição (por parte dos “progressistas”, como têm sido chamados) e distância ou antipatia por pessoas ou grupos que cultivam uma posição “tradicional”. Lembro-me do propósito que um famoso político argentino enunciou com brutalidade: «para amigos, tudo; ao inimigo, nem justiça ». Digo isso com o maior respeito e amor, mas com imensa tristeza.

Leia o texto completo:

Fui ordenado sacerdote pela Arquidiocese de Buenos Aires em 25 de novembro de 1972; Celebrei minha primeira missa no dia seguinte na paróquia San Isidro Labrador (bairro de Saavedra), onde residi todo aquele ano praticando o diaconato. Obviamente celebrei de acordo com o Novus Ordo promulgado em 1970. Nunca celebrei “a Missa de antes”, nem mesmo depois do motu proprio Summorum Pontificum; Eu teria que estudar o rito, do qual tenho lembranças distantes por ter servido como coroinha quando criança. Recentemente, ao assistir à Divina Liturgia da Igreja Ortodoxa Síria, pareceu-me notar uma certa semelhança com a Missa Solene em Latim, com diácono e subdiácono, na qual ajudei muitas vezes, especialmente em funerais, que na minha paróquia eram celebrados com frequência. com especial solenidade. Insisto: sempre celebrei com a maior devoção que posso, o rito em vigor na Igreja Universal. Sendo Arcebispo de La Plata, todos os sábados no Seminário Maior de San José cantava a oração eucarística em latim, valendo-me do precioso Missal publicado pela Santa Sé. Havíamos formado, de acordo com a recomendação do Concílio Vaticano II na Constituição Sacrosanctum Concilium n. 114, um schola cantorum, que foi eliminado na minha aposentadoria. Nos custódios Traditionis (A 3§ 4), fala-se de um sacerdote delegado pelo bispo para ser responsável pelas celebrações da Missa e pela pastoral dos fiéis nos grupos autorizados a usar o Missal antes da reforma de 1970 .que “tem conhecimento da língua latina.” Deve ser lembrado que é possível celebrar a Missa atualmente em vigor em toda a Igreja em latim. O Concílio declarou no Sacrosanctum Concilium 36 § 1, “O uso da língua latina nos ritos latinos será preservado, exceto para direito particular.” Infelizmente, o “direito privado” parece ser a proibição do latim, como de fato se faz (esta não é uma boutade). Se alguém se atreve a propor que seja celebrado em latim, é considerado deslocado, um troglodita imperdoável.

O latim foi durante séculos o vínculo de unidade e comunicação na Igreja Ocidental. Hoje ele não está apenas abandonado, mas também odiado. Nos seminários, seu estudo é negligenciado, justamente por não ser útil. Não se percebe que é assim que o acesso direto aos Padres da Igreja Ocidental é fechado; muito importante para os estudos teológicos: penso, por exemplo, em Santo Agostinho e em São Leão Magno, e em autores medievais como Santo Anselmo e São Bernardo. Esta situação me parece um sinal de pobreza cultural e ignorância intencional.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Anotei aquelas notícias sobre o meu início no ministério para mostrar que na minha vida sacerdotal nunca nutri saudades de não poder usar o rito anterior, que tantos padres e muitos santos celebraram durante séculos. Porém, meus estudos teológicos e muitas leituras e reflexão constante sobre a liturgia eclesial, me permitem julgar e sustentar que em vez de criar uma nova Missa, a anterior poderia ter sido atualizada em uma reforma discreta que marcou fortemente a continuidade. A propósito, lembro-me de uma anedota eloqüente. O distinto teólogo Louis Bouyer relata que o presidente do Consilium ad exsequendam Constitutionem de Sacra Liturgia, Monsenhor Annibale Bugnini (amplamente e frequentemente conhecido como Maçom), encarregou os membros dessa Comissão de apresentar projetos de oração eucarística como um exercício. Bouyer conta que ele, com o liturgista beneditino Dom Botte, redigiu em uma trattoria em Trastevere, um texto que para seu espanto foi incluído no novo Missal como Oração Eucarística II. É o que a maioria dos padres costuma escolher, porque pela sua brevidade dá a impressão de encurtar a missa em alguns segundos. Parece-me um texto muito bonito, só lamento que nele não apareça a palavra sacrificium, mas sim a noção de memorial, e indiretamente, pois depois da consagração se diz memores; os fiéis não podem identificar o memorial com o sacrifício que é oferecido.

O que se escreveu até agora é uma espécie de prólogo, a título de justificação, ao rápido comentário crítico que decorre dos custódios do motu proprio Traditionis, de 16 de julho deste ano, que estabelece novas disposições para a utilização do missal editado em 1962 por São João XXIII. É reconhecido que São João Paulo II e Bento XVI quiseram promover a concórdia e a unidade da Igreja, e que procederam com solicitude paternal para com aqueles que aderiram às formas litúrgicas anteriores ao Vaticano II. O atual Pontífice declara que deseja continuar ainda mais na busca constante da comunhão eclesial (Prologue de Traditionis custodes) e, para efetivar esse propósito, elimina a obra de seus predecessores, colocando limites arbitrários e obstáculos ao que se estabeleceu com o ecumênico. intenção intraeclesial e respeito pela liberdade dos sacerdotes e dos fiéis! Promove a comunhão eclesial ao contrário. As novas medidas implicam um retrocesso lamentável.

A base desta intervenção – afirma-se no prólogo – é uma consulta da Congregação para a Doutrina da Fé dirigida aos bispos em 2020 sobre a aplicação do motu proprio de Bento XVI Summorum Pontificum, cujos resultados foram considerado com cuidado. Seria interessante saber quais foram os auspícios formulados pelo Episcopado.

É assim que no primeiro artigo a forma extraordinária do Rito Romano é eliminada. O propósito de Bento XVI ao fazer uso gratuito do oficial do Missal de 1962 era – a meu ver – atrair ou manter na unidade da Igreja aqueles que, escandalizados pela devastação litúrgica universal, haviam se afastado ou corriam o risco de afastando-se porque não queriam aceitá-la situação factual; um afeto de comunhão eclesial determinou a abertura de um caminho razoável para a experiência litúrgica. Agora cabe aos bispos diocesanos conceder autorização para o uso do missal antecedente. Tudo começa de novo, e é de se temer que os bispos sejam gananciosos em conceder licenças. Muitos bispos não são custódios da tradição, mas da tradição é ignari (ignorante), obliviosi (esquecido) e, pior ainda, da tradição é evertores, destruidores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Parece-me muito bom que seja necessário não excluir a validade e a legitimidade dos decretos do Vaticano II, da reforma litúrgica e do Magistério dos Sumos Pontífices. Para aqueles que já usavam a forma extraordinária do Rito Romano, não era suficiente a vigilância ordinária dos bispos e a eventual correção dos infratores? Seria necessário ter caridade e paciência com os rebeldes; bons argumentos não faltam. Este projeto completaria o justo requisito expresso no Artigo 3 § 1.

A limitação de lugares e dias a celebrar de acordo com o Missal de 1962 (art. 3 § 2 e § 3) são restrições injustas e desagradáveis. Todo sacerdote deve poder usar a forma extraordinária do Rito Romano (isso implica retroceder à interdição), primeiro ao celebrar sozinho e também em público, onde os fiéis já o recebem, se o sacerdote tiver explicado que usará esse Ordo destacando sua venerável antiguidade e seu valor religioso. A vigilância do bispo seria suficiente para que esta faculdade não se exerça contra a utilidade pastoral dos fiéis. O nº 6 daquele artigo 3º é uma restrição injusta e dolorosa ao impedir que outros grupos de fiéis usufruam da participação na missa celebrada segundo o Missal de 1962. É curioso que ao mesmo tempo que se promova oficialmente uma estrutura “poliédrica” ​​da Igreja com o pela facilidade que essa atitude implica para a disseminação de dissidências e erros contra a Tradição Católica, uma uniformidade litúrgica é imposta que parece apenas escolhida contra aquela tradição. Sei que muitos jovens em nossas paróquias estão fartos dos abusos litúrgicos que a hierarquia permite sem corrigi-los; Querem uma celebração eucarística que garanta uma participação séria e profundamente religiosa. Não há nada de ideológico nesta aspiração. Também acho desagradável que o padre que já tem a permissão e a exerceu corretamente, volte a administrá-la (Art. 5º, I). Isso não é um estratagema para tirá-lo? Ocorre-me que talvez não haja poucos bispos (novos, por exemplo) relutantes em concedê-lo.

Todas as disposições dos custódios Traditionis seriam de bom grado aceitáveis ​​se a Santa Sé atendesse ao que chamo de devastação da liturgia, que ocorre em vários casos. Posso falar sobre o que acontece na Argentina. Em geral, é bastante comum que a celebração eucarística assuma um tom de banalidade, como se fosse uma conversa que o sacerdote mantém com os fiéis e na qual a simpatia é fundamental; em certos lugares torna-se uma espécie de espetáculo presidido pelo “animador” que é o celebrante, e a missa infantil é uma festinha parecida com as festas de aniversário. Entre nós houve um fato que, espero, seja excepcional; Não estou ciente de que algo assim esteja acontecendo em outras partes do mundo. Um bispo celebrou missa na praia, vestido com um traje de praia sobre o qual usava uma estola; uma toalha de mesa na areia (ou um cabo), e em vez do cálice um mate. Esclarecimento para os estrangeiros: o mate é uma abobrinha seca e vazia que se usa para tomar uma infusão de erva-mate, e o mate também é denominado o ato de beber a infusão por meio de uma lâmpada; Geralmente é um exercício comunitário: o companheiro circula entre os presentes e alguém se encarrega de engordá-lo. Outros casos divulgados mostram a celebração como o encerramento de uma reunião; sobre a mesa estão papéis, copos, refrigerantes; os próprios fiéis servem à comunhão. Em geral, pode-se dizer deste ângulo geográfico de visão que cada sacerdote tem “sua” missa; os fiéis podem escolher: “Vou à Missa do Padre NN”. Estas realidades não são tratadas pelos bispos, que no entanto reagem rapidamente contra um sacerdote que celebra com a maior piedade em latim: “isso” é proibido. É essa proibição o “direito particular” a que se refere a Constituição Sacrosanctum Concilium 36 § 1, no trecho em que se fala da preservação do latim? Em virtude deste critério, as canções latinas que as pessoas comuns cantavam comumente nas paróquias, como o Tantum ergo na bênção eucarística, desapareceram de uso. A falta de correção dos abusos leva à convicção de que “agora a liturgia é assim”. Bastaria, simplesmente, fazer cumprir o que o Concílio determinou, com sabedoria profética: “que ninguém, nem mesmo um sacerdote, acrescente, retire ou mude nada por sua própria iniciativa na liturgia” (Const. Sacrosanctum Concilium 22 § 3).

Não se pode negar que a celebração eucarística perdeu rigor, solenidade e beleza. E o silêncio desapareceu em muitos, muitos casos. Um capítulo separado mereceria música sacra (sacra?), De acordo com o capítulo VI da Sacrosanctum Concilium. Insisto: Roma deve cuidar, pronunciar-se sobre essas desordens.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para concluir, pareço notar uma relação entre o tom do decreto operativo e o discurso do Santo Padre no dia 7 de junho, dirigido à comunidade dos sacerdotes de São Luís dos Franceses, em Roma. Percebo em ambos os textos (posso estar errado, claro) uma falta de afeto, apesar de certas aparências. É verdade que o motu proprio, pela natureza do seu gênero, não permite efusões pastorais; porém, em sua concisão, poderia ser apresentado como um sinal de amor pastoral. A comparação não me parece arbitrária; em ambos os casos, seria desejável notar aquela atitude misericordiosa que tanto é celebrada no atual Pontífice. Parece que o julgamento que a Igreja faz, em sua instância máxima, do curso da vida eclesial procede segundo dois pesos e duas medidas: tolerância, e mesmo apreciação e identificação com as posições heterogêneas em relação à grande Tradição (“progressista”, como têm sido chamados) e distância ou antipatia de pessoas ou grupos que cultivam uma posição “tradicional”. Lembro-me do propósito que um famoso político argentino enunciou com brutalidade: «pelos amigos, tudo; ao inimigo, nem justiça ». Digo isso com o maior respeito e amor, mas com imensa tristeza.

+ Hector Aguer
Arcebispo emérito de La Plata


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE