Categorias
Santo do Dia

Hoje celebramos os Santos Inocentes, crianças que morreram por Cristo

 

SANTO DO DIA – 28 DE DEZEMBRO – SANTOS INOCENTES
Mártires

Um trágico episódio de sangue é narrado apenas pelo evangelista Mateus, que se dirige principalmente aos leitores provenientes do judaísmo, com a intenção de demonstrar que em Jesus se cumpriram as antigas profecias, até aquela do grito de dor de Raquel chorando os próprios filhos.

Os meninos de Belém e dos arredores, que o suspeitoso e sanguinário Herodes mandou matar, com a esperança de suprimir o Messias-rei, são as primícias dos redimidos e santificados pelo Salvador Jesus, segundo sua própria promessa: ‘Aquele que tiver perdido a sua vida por minha causa a encontrará’.

A festividade dos santos Inocentes aparece já no calendário cartaginês do século IV, e pouco depois no ‘Sacramentário leoniano’. O poeta Prudêncio, de cujos textos é tirada a liturgia deste dia, chama-os justamente ‘Flores martyrum’, as primeiras flores germinadas em torno do berço do Redentor, quais ‘comites Christi’.

Do livro: ‘Os Santos e os Beatos da Igreja do Ocidente e do Oriente’, Paulinas Editora.

Os Santos Inocentes

Celebramos hoje a festa dos Santos Inocentes, aqueles crianças martirizadas por Herodes em seu desejo de matar a Nosso Senhor Jesus Cristo.

A primeira coisa com que deparamos nesse fato histórico é uma realidade constante ao longo dos séculos: o diabo, não podendo mais atingir Jesus, com a sua raiva e o seu ódio irracional termina atingindo os inocentes que seguem a Jesus.

No acontecimento histórico perpetrado por Herodes, que, querendo matar a Cristo, não teme matar a crianças inocentes, vemos uma como profecia da história da Igreja: Jesus morreu na Cruz, ressuscitou e subiu aos céus, mas continua vivo na Igreja no correr dos séculos. Porque a Igreja é isso, Corpo místico de Cristo, que permanece vivo ao longo dos séculos, como uma continuação do mistério da Encarnação.

Deus se fez carne e habitou entre nós, Ele assumiu a nossa humanidade e nós, que temos fé em Jesus e somos batizados, somos por isso mesmo — para usar uma linguagem de S. Elisabete da Trindade — como que uma “humanidade acrescida”, uma humanidade mais, acrescentada a Cristo. Por quê? Porque Ele é a Cabeça, nós somos os membros, e embora a nossa Cabeça esteja gloriosa no céu, os membros de Cristo continuamos padecendo aqui na Terra, continuamos em luta, como Igreja militante em duelo contra Satanás, o qual sempre olha para os que estão mais próximos de Cristo com um ódio tremendo.

Não há a este respeito página na história da Igreja em que não se veja essa constante: pessoas inocentes que seguem a Jesus, membros do seu Corpo, pagando o preço por serem de Cristo. A culpa não é de Deus, mas de Satanás e seus seguidores.

O culpado do sangue dos inocentes é Herodes e os demônios que o atormentavam. Ora, Deus, na sua Providência e bondade infinita, não permitiria o mal se dele não pudesse tirar um bem maior. Portanto, se Deus permite o mau uso da liberdade humana e da liberdade angélico-demoníaca, é porque Ele, providencialmente, tem algo triunfante e maravilhoso para realizar.

É isso o que veremos no Juízo Final, quando soar a trombeta e terminar esse tempo, tempo de prova e da Igreja, tempo de provação e de evangelização, tempo do nosso martírio, isto é, do nosso testemunho. Então, sim, se revelará aos olhos de toda a humanidade o sentido das injustiças clamorosas, desde a injustiça contra os Santo Inocentes, mortos à espada de Herodes, até as injustiças de outros santos, muitas vezes caluniados, desconhecidos que, ao longo dos séculos, se uniram a Cristo no seu destino de paixão e morte, mas que, no final, se associaram ao seu destino de ressurreição glória.

Aí está a grande alegria de saber que das grandes tragédias e misérias Deus sempre tira o bem: Omnia in bonum! Que Deus nos dê essa graça, e os Santos Inocentes intercedam por nós.

Conheça mais sobre os Santos Inocentes

“Levanta, toma o menino e sua mãe, e regressa à terra de Israel, porque morreram os que atentavam contra a vida do menino”

Ao ver-se enganado pelos magos, Herodes se enfureceu e mandou matar, em Belém e seus arredores, a todos os meninos menores de dois anos, de acordo com a data que os magos lhe haviam indicado. Assim cumpriu-se o que havia sido anunciado pelo profeta Jeremias: “Em Ramá se ouviu uma voz, houve lágrimas e gemidos: é Raquel, que chora seus filhos e não quer que a consolem, porque já não existem”.

Quando morreu Herodes, o Anjo do Senhor apareceu em sonhos a José, que estava no Egito, e lhe disse: «Levanta, toma o menino e sua mãe, e regressa à terra de Israel, porque morreram os que atentavam contra a vida do menino». José levantou-se, tomou o menino e a sua mãe, e entrou na terra de Israel. Porém, ao saber que Arquelao reinava na Judeia, no lugar de seu pai Herodes, teve medo de ir ali e, advertido en sonhos, retirou-se para a região da Galileia, onde se estabeleceu em uma cidade chamada Nazaré. Assim cumpriu-se o que havia sido anunciado pelos profetas: “Será chamado Nazareno”.

Fuga para o Egito por Giotto..jpg

Matança dos Santos Inocentes

No segundo capítulo do Evangelho de São Mateus encontramos a narração das circunstâncias da fuga da Sagrada Família de Belém para o Egito. Foi um êxodo, um fato histórico relacionado com a perseguição ordenada por Herodes, o Grande, que tinha como objetivo matar o Menino Jesus.

Nesta ocasião, José, o pai adotivo que protegia a vida do Menino Jesus, fugiu levando consigo Maria e seu Filho. Ele foi inspirado em sonhos por um Anjo e marchou para o Egito, onde, segundo a tradição, refugiaram-se durante seis meses no monte Qusqam, sendo acolhidos pelos habitantes da região.

É assim que a terra do Egito, que hospedou Jesus na sua primeira infância junto com sua Mãe Nossa Senhora e o pai São José, pode ser considerada como Terra Santa, pois, foi lugar de passagem e de presença de Nosso Senhor.

Após algum tempo, finalmente, uma nova aparição do Anjo, em sonho, anuncia a São José a morte de Herodes. A Sagrada Família pode, então retornar para a terra de Israel.

Na narração da fuga da Sagrada Família para o Egito, três versículos (Mt 2,16-18) descrevem a ferocidade do rei Herodes, que, para matar Jesus, decidiu exterminar todos os meninos de dois anos para baixo que viviam em Belém.

Este acontecimento pode ser interpretado como sendo um preludio das grandes perseguições dos mártires durante os primeiros séculos. Com a matança de inocentes, Herodes quis sufocar toda possibilidade de perigo que o levasse a perder seu domínio absoluto. E, para ele o Messias representava uma grande ameaça.

São Mateus interpreta a historia da matança dos inocentes sob o ponto de vista do plano salvífico de Deus e a intende em um sentido profético como sendo o cumprimento das Escrituras. É por isso o evangelista faz referencia ao profeta Jeremias, que se narra o lamento da matriarca Raquel pelo povo de Israel, levado ao exílio na Babilônia: «um grito se ouve em Ramá, pranto e lamentos grandes; é Raquel que chora por seus filhos e recusa o consolo, porque já não vivem» (Mt 2,18; cf. Jr 31,15). Para Mateus, os meninos assassinados em Belém representam o povo de Israel e a dor vivida pelas mães é a dor do povo que não reconheceu o Rei-Messias. (JS)

SANTOS INOCENTES_1.JPG

Santos Inocentes

Há poucos dias atrás, ouvimos em Belém o cântico dos anjos: “Glória a Deus no mais alto dos céus e paz na terra aos homens de boa vontade”. E vimos a alegria dos pastores, adorando a Jesus Menino na manjedoura.

E hoje? Ah, hoje, que diferença! Da alegria, eis a tristeza. Do riso, que pranto! É o ruído das armas, das espadas que afoitamente se desembainham e se tingem de sangue, do sangue de inocentes crianças. É o grito inconsolável das mães que atroa os ares, ao verem os filhos mortos, degolados nos próprios braços amorosos, que esboçam vãs tentativas de defesa. É o grito, a lágrima, o horror, o desespero.

******

Herodes, o Grande, descendente de Esaú, idumeu, notabilizou-se pela crueldade. Aterrorizou a Palestina por trinta e seis anos, e desposou dez mulheres. Corroído pelos vermes, morreu em 750 da fundação de Roma, logo depois do nascimento de Jesus, que se deu em 749 da mesma era. Nascia um rei. Perigava-lhe a estabilidade?

  ******

SANTOS INOCENTES_2.JPG

Jesus nasceu em Belém. Era no tempo do rei perverso. Que era aquilo que diziam dos magos que vinham do Oriente: Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? E que significava viemos adorá-lo? Nascera mesmo um rei? E a estrela que lhes aparecera? Que era aquilo?

Então Herodes, tendo chamado secretamente os magos, inquiriu deles cuidadosamente acerca do tempo em que lhes tinha aparecido a estrela. E, enviando-os a Belém, disse:

– Ide e informai-vos bem acerca do menino, e, quando o encontrardes, comunicai-me a fim de que também eu o vá adorar.

 ******

Não mais foram ter os três magos com Herodes. E Herodes desconfiava. Fora enganado? O tempo passava. Sim, fora enganado. Haviam-no iludido.

Então, vendo que havia sido enganado pelos magos, irou-se em extremo, e mandou matar todos os meninos que havia em Belém e em todos os arredores, da idade de dois anos para baixo, segundo a data que havia averiguado dos magos. Então, cumpriu-se o que estava predito pelo profeta Jeremias: Uma voz se ouviu Ramá, pranto e grande lamentação: Raquel chorando seus filhos, sem admitir consolação, porque já não existem.

******

Estais a chorar, ó mães infortunadas, porque vossos filhos já não mais existem?

Não choreis, ó mãe felizes, porque vossos filhos existem! Estão, não no mundo enganador e perverso como o rei Herodes, mas num mundo melhor e que jamais se acaba. Morreram, sim, mas para o século. Morreram, mas, olhai, vede que sublime: deram a vida por aquele que é a Vida. São as primícias dos mártires do Senhor Jesus Cristo.

(Vida dos Santos, Padre Rohrbacher, Volume XXI, p. 122 à 124)