Categorias
Santo do Dia

São Basílio de Ancira – 22 de Março

 

SANTO DO DIA – 22 DE MARÇO – SÃO BASÍLIO DE ANCIRA
Mártir que lutou contra os pagãos e o arianismo (336 – 362)

Em meados do século IV, quando arianos e semiarianos propagavam suas heresias, Basílio era então sacerdote em Ancira. Era um santo homem que recebeu sua formação na verdadeira doutrina da Igreja pelo bispo Marcelo.

Depois que o bispo Marcelo foi desterrado pelo imperador Constâncio, e que um semiariano também chamado Basílio ocupou a sede de Ancira, o sacerdote Basílio não cessou de exortar seu povo a permanecer fiel à sua fé.

Em 360, os arianos radicais dominaram a região e depuseram o bispo semiariano, proibindo Basílio de, sequer, assistir aos ofícios religiosos. Contudo, desobedecendo estas imposições e apoiado por seus fiéis, Basílio conseguiu recuperar muitos dos que haviam sido enganados e defendeu a fé, desafiando as ordens do imperador Constâncio.

Quando Juliano, o Apóstata chegou ao trono, a perseguição explicita cessou temporariamente, pois o imperador quis empregar métodos mais sutis para combater os cristãos e minar sua fé. Contudo, em alguns casos perdeu a paciência e autorizou alguns castigos aos cristãos. Basílio, que continuava seus esforços contra a política imperial de Ancira, foi preso e acusado de incitar o povo contra os deuses pagãos, e de falar abertamente contra o imperador e a sua religião.

Corajosamente, ele foi até o imperador, que estava visitando Ancira, e professou abertamente sua fé e pregou contra os sacrificios e oferendas ao imperador romano. Ao refutar abertamente um sacrifício em andamento com uma oração, foi preso imediatamente. Ele foi torturado – tiras de pele foram retiradas de suas costas – e executado em 26 de junho de 362 dC por uma surra com ferros quentes.

Conheça mais sobre São Basílio de Ancira

Basílio era padre na Igreja de Ancira, quando do bispo Marcelo. Ensinando as verdades cristãs, combatendo erros e mentiras, tudo fazia para levar a Deus as almas todas.

Um dia, reuniram-se em Constantinopla (360) os bispos arianos que acordaram em proibi-lo de pregar coisas que lhes não agradavam. Ora, na Palestina, duzentos e trinta bispos, num concílio, ao contrário, resolveram encorajá-lo a levar avante a obra a que se dera de corpo e alma. A Igreja, naqueles idos, passava por uma grande agitação, e Basílio, intimado a comparecer diante do imperador, foi por este interrogado.

O futuro mártir soube, maravilhosamente, defender-se, mas, com o advento de Julião, o Apóstata, não teve igual sorte.

Foi Constantino quem mais incentivo prestou à convocação de Nicéia facilitando-a (325). No primeiro concílio ecumênico, definiu-se o credo cristão contra as primeiras heresias, das quais a mais famosa dói o arianismo, de Arius, presbítero, a qual negava a igualdade de Deus Filho com Deus Pai.

Meio século depois do imperador Constantino lançar o edito, o imperador Julião, seu sobrinho, repudiou a fé cristã, procurando restabelecer o paganismo. Diante do procôncul Saturnino, Basílio foi acusado de provocar tumultos, falando desrespeitosamente do imperador, dizendo que, impunemente, violava as leis. Foi, pois, estirado ao cavalete, e atormentado.

Dizia, então, o Santo, dirigindo-se a Deus:

– Senhor, Deus de todos os séculos, eu te rendo graças por me achares digno de caminhar pela sendo do sofrimento,. Perseverando, estarei perto da vida, e me encontrarei na companhia daqueles que tu fizeste herdeiros de tuas promessas, e que delas já estão a gozar.

Saturnino, violentamente, procurava induzir Basílio a sacrificar aos ídolos, mas o que ouvia, em resposta, era só negativas e negativas. Julião, informado daquela resistência, exasperou-se. Na expedição contra os persas, passava por Ancira, e ordenou que lhe trouxessem o renitente.

Basílio, aberta e corajosamente, disse-lhe que era cristão, e que nada o demoveria, levando-o a sacrificar. E acrescentou:

– Fica sabendo que, como quiseste perder a lembrança dos benefícios que recebeste de Deus, Ele também há de se esquecer da bondade, quando chegar a hora da tua punição. Tu não tens qualquer respeito pelos altares, profanando-os, atirando-os por terra. A ti também te atirará, arrancando-te do trono. Tu tens prazer em violar a lei do Senhor. Pois teu corpo ficará sem sepultura, e será calcado por pés sem conta, depois que tua alma já tenha partido sobre o efeito das mais violentas dores.

Disse o apóstata:

– Meu desejo era salvar-te, mas já que desrespeitaste minha posição, falando-me com insolência, devo vingar a majestade do império horrivelmente ultrajada em minha pessoa. Quero que todos os dias te arranquem do corpo sete SAO BASILIO DE ANCIRA_1.jpgtiras de carne.

A execução ficou a cargo do conde Fromentino e Basílio, com infinitos de paciência, suportou a tortura.

Disse o santo, um dia, ao carrasco:

– Quero falar ao imperador.

Com alegria o conde ouviu aquelas palavras: Basílio, pensava, ia ceder, sacrificar aos deuses para livrar-se do tormento. Quem não o faria?

Fromentino abalou a falar com o imperador. Disse-lhe:

– Basílio cedeu. Deseja falar a Vossa Majestade.

Julião deixou o palácio a prelibar a vitória, dirigindo-se ao templo dedicado a Esculápio, onde o heróico supliciado jazia.
Diante do apóstata, Basílio perguntou:

– Onde estão teus sacrificadores e teus adivinhos? Disseram-te eles que eu te pedi audiência?

– Eu pensei, respondeu Julião, que estavas prestes a reconhecer os deuses e pronto para unires a mim no sacrifício que lhes ofereço…

– Nada estã tão distante de mim, tornou Basílio.

E, tomando o santo uma longa tira de carne que lhe pendia do corpo, arrancou-a, atirando-a ao rosto do imperador, exclamando:

– Toma, Julião, e come este pedaço, já que o amas tanto!

E acrescentou:

– Declaro-te que, para mim, a morte é um ganho: é por Jesus Cristo que eu sofro, Ele, meu refúgio, meu amparo e minha vida.

Fromentino empalidecera, temendo pela própria vida. Gulião esse, estava branco de ódio. E, gritando para que a Basílio torturassem redobradamente, fazendo-lhe incisões mais profundas, que lhe chegassem até as entranhas ouviu-o no suplício orar:

– Deus infinitamente bom, todo misericordioso, que sofres comigo, que sofres por nós, abaixa teus olhos para teu servidor. Concede-me a graça de acabar felizmente a vida, de perseverar na fé que meus pais me transmitiram, de merecer o teu reino.

Julião, no dia seguinte, deixava Ancira, demandava Antioquia. E Basílio, à noite, na prisão, miraculosamente curado por Deus, encolerizando Fromentino, foi condenado a ter o corpo perfurado por ferros incandescentes. E à medida que executavam tão bárbara sentença, Basílio ia pronunciando devotamente:

– Jesus, minha luz, Jesus minha esperança eu te rendo graças, deus de meus pais, que me retiras a alma desta morada de morte. Não permitas que eu profane o sagrado nome que levo: é o vosso, Senhor, conserva-o em mim, puro e sem mancha. Recebe o espírito de teu servidor, que morre confessando que és o único e verdadeiro Deus.

Assim, dizendo, Basílio expirou. Era a 28 de Junho de 362 e o santo mártir recebia a gloriosa palma do martírio diante dos carrascos estupefatos.