Categorias
Mundo

Sangue de São Januário liquefaz pela segunda vez em 2021

O milagre se repete! O sangue de São Januário, patrono da cidade italiana de Nápoles, se liquefez novamente neste domingo.

O evento milagroso aconteceu na Catedral da Assunção de Maria da cidade durante a Missa da manhã em 19 de setembro, dia em que se celebra a festa do santo.

Antes da missa, o arcebispo de Nápoles Domenico Battaglia foi à Capela Real do Tesouro de São Januário com Mons. Vincenzo de Gregorio, o abade da capela, e o prefeito Luigi De Magistris.

Battaglia abriu o cofre contendo um relicário com um frasco circular lacrado cheio de sangue do bispo do século III.

Durante o milagre, a massa seca e vermelha confinada a um lado do relicário se transforma em sangue que cobre todo o vidro. Na tradição local, a falta de liquefação do sangue sinaliza guerra, fome, doença ou outro desastre.

Às 10 horas, hora local, o arcebispo de 58 anos trouxe o relicário para o altar-mor da catedral.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Battaglia moveu o relicário de um lado para o outro para mostrar sua mudança de estado.

“O sangue se liquefez”, disse ele.

Depois de fazer o sinal da cruz, sinalizando o início da missa transmitida ao vivo, ele disse: “Agradecemos ao Senhor por este dom, por este sinal que é tão importante para a nossa comunidade”.

Em sua homilia, Battaglia, que foi empossado como arcebispo de Nápoles em 2 de fevereiro, exortou os católicos a evitar superstições e a ver no sangue do santo um sinal que aponta para o sangue derramado por Jesus para redimir a humanidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os ossos e o sangue de São Januário – San Gennaro em italiano – são preservados como relíquias na Catedral de Nápoles. Acredita-se que o bispo da cidade do sul da Itália tenha sido martirizado durante a perseguição de Diocleciano.

O suposto milagre é conhecido e aceito localmente, embora ainda não tenha recebido o reconhecimento oficial da Igreja. A liquefação acontece tradicionalmente pelo menos três vezes por ano: 19 de setembro, dia da festa do santo, no primeiro sábado de maio, e 16 de dezembro, aniversário da erupção de 1631 no vizinho Monte Vesúvio.

Leia também
Conheça a vida de São Januário, cujo sangue se liquefaz milagrosamente

O sangue do santo também se liquefez no início deste ano.

Pregando na missa na Catedral de Nápoles em 1º de maio, Battaglia exortou as pessoas a não ficarem excessivamente “intrigadas com o milagre” e “dominadas pelo desejo de ler nele bons presságios ou presságios agourentos para o nosso futuro”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Independentemente de saber se o sangue se liquefaz, disse ele, isso deveria lembrar aos católicos o sangue de Cristo “em cujo mistério pascal ainda nos encontramos e que é o único que dá sentido ao grande e intenso ícone do sangue liquefeito”.

O arcebispo, conhecido como um “padre de rua” próximo dos pobres antes da sua elevação, recordou as vítimas da máfia da Camorra e da violência doméstica, bem como os idosos solitários e os desempregados.

Disse ele: “Não há ferida social ou ferida comunitária que não tenha direito de cidadania neste precioso relicário, o vértice maravilhoso de todo o tesouro de São Januário”.

“Mas não me entenda mal, não estou falando sobre as pedras preciosas, nem as joias colocadas entre mitras de ouro, nem os bustos de prata dos santos. O verdadeiro tesouro de São Januário é o seu povo e, dentro deles, aqueles que estão à margem da vida, os últimos, os mais frágeis ”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O arcebispo, conhecido localmente como Don Mimmo Battaglia, receberá o pálio no dia 27 de setembro do arcebispo Emil Paul Tscherrig, núncio apostólico na Itália.

Antes da bênção final na missa de domingo, Battaglia desceu a nave da catedral e passou por suas portas, onde ergueu o relicário, abençoando os que estavam do lado de fora.

Traduzido de CNA


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE