Categorias
Mundo

Regime norte-coreano pune crentes de qualquer religião com trabalhos forçados

 

O “Livro Branco” publicado pelo Centro de Dados de Direitos Humanos da Coréia do Norte afirma que as atividades religiosas são proibidas. 46% dos entrevistados dizem que os crentes são punidos com trabalhos forçados. Há também uma caça aos cristãos coreanos que fugiram para a China. De 2000 até hoje, apenas 559 pessoas “viram uma Bíblia”.

A perseguição religiosa na Coréia do Norte é uma das mais severas. Desde a criação do país, as atividades religiosas são consideradas crime contra o Estado e punidas como crime político. As poucas informações que vazam do outro lado da cortina não nos permitem ter uma visão clara da situação. Apesar disso, o Center Database Human Rights Coreia do Norte (Centro de Banco de Dados dos Direitos Humanos da Coreia do Norte, NKDB) publicou anualmente desde 2007 um “Livro Branco sobre Liberdade Religiosa” na Coreia do Norte, em que coleta fragmentos de informações provenientes principalmente de fugitivos.

Este ano, o Centro conseguiu coletar dados de 1.234 pessoas que confirmaram a proibição de todas as atividades religiosas e a dura perseguição sofrida pelos fiéis.

46% dos entrevistados afirmam que a punição para quem exerce atividades religiosas é o internamento em campos de trabalhos forçados . Mas também é preciso dizer que 38,6% dos entrevistados não sabem sobre nenhum castigo porque também não sabem nada sobre religião.

De acordo com o Centro, desde abril de 2014 tem havido um recrudescimento da perseguição sob as ordens de Kim Jong-un para “prender todos aqueles que têm contato com o cristianismo” . Desde então, as forças de segurança rastrearam fiéis e a embaixada norte-coreana em Pequim também está procurando por cristãos entre os fugitivos na China.

O relatório afirma que, apesar da perseguição, o número de pessoas que “viram uma Bíblia” aumentou a cada ano desde 2000. Antes de 2000, apenas 16 pessoas afirmavam ter tido essa experiência. Depois de 2000 e até hoje, existem 559 pessoas, todos refugiados no Sul, que “viram uma Bíblia”.

Traduzido de Infocatolica