Categorias
Sexualidade

Pornografia, um problema de saúde pública que já “esterilizou gerações inteiras de homens”

 

O impacto da pornografia não é apenas individual: milhões de homens perderam o espírito empreendedor e a virtude do esforço, diz Auguste Meyrat. O impacto social dessa perda é incalculável.

É cada vez mais consciente do risco individual que implica o consumo de pornografia devido à sua natureza viciante e seu impacto negativo nas relações pessoais. É ignorada, porém, sua capacidade de transformar a sociedade como um todo, um efeito ainda mais dramático, que é cada vez menos abordada. É a perspectiva de Auguste Meyrat, PhD em Humanidades, em um artigo recente na Revista Crise:

A pornografia da sociedade

Num momento em que, ciclicamente, o discurso público se concentra no tema da pornografia, ela sempre surge em termos de indivíduo. Há muita ciência que mostra que o consumo de pornografia afeta o cérebro e a saúde reprodutiva, e que tem uma natureza viciante. Muitos críticos também apontam como a estimulação constante do conteúdo pornográfico distorce a visão de uma pessoa sobre sexo e pessoas. Além disso, para atrair um público mais amplo, a linguagem [da pornografia] é sempre secular e fria, com pouca referência à moralidade.

Quando a moralidade entra na conversa, geralmente é em referência aos produtores de pornografia. Eles exploram e coisificam as pessoas envolvidas (principalmente as mulheres). E, em muitos casos, eles também abusam e coagem menores , o que até provocou críticas de escritores do New York Times.

Aqueles que defendem a pornografia como a mera exposição de uma atividade entre adultos que dão seu consentimento devem entender que são pessoas que vendem seus corpos e sua dignidade por dinheiro e têm seguidores. Na maioria dos casos, são vulneráveis a predadores que se aproveitam de sua baixa autoestima, desespero econômico e ingenuidade. Como resultado, muitos atores pornôs lutam contra o vício, relacionamentos abusivos e suicídio.

Diferença com outros vícios

No entanto, apesar de reconhecer os danos que a pornografia causa aos indivíduos envolvidos, poucas pessoas consideram o efeito que isso tem na comunidade. Embora alguns tenham comparado a pornografia a outros vícios, como alcoolismo ou vício em drogas, essa analogia é enganosa por duas razões. Primeiro, assistir pornografia é muito mais difundido, já que quase 80% dos americanos a consomem mensalmente. Se esse mesmo percentual fosse aplicado a álcool ou drogas, uma parcela significativa da população estaria morta.

Em segundo lugar, ao contrário do alcoolismo e do vício em drogas, o vício em pornografia não é imediatamente visível. Enquanto em um alcoólatra ou viciado em drogas os sinais de seu hábito são rapidamente vistos na deterioração corporal e perda de vigor, assistir pornografia não deixa sinais claros sobre o usuário. Muitos considerarão isso para mostrar que a pornografia não prejudica ninguém, exceto aqueles que crescem em lares sexualmente repressivos e desenvolvem complexos de culpa.

Um freio no impulso e criatividade

No entanto, a pornografia deixa um sinal no usuário, e isso pode ser visto no mundo desenvolvido. De fato, esterilizou gerações inteiras de homens que agora não têm a iniciativa de se casar e ter filhos. Ele também emasculou homens em geral, que já não se sentem tão inclinados a construir e alcançar suas conquistas. Demografia, isso é um desastre, já que muitos países agora têm taxas de natalidade abaixo do nível de reposição, o que significa menos trabalhadores e mais idosos. É também um desastre cultural, pois leva diretamente a uma sociedade decadente e não criativa, composta por adultos egoístas que vivem e encontram sentido no momento presente e nada mais.

Isso é porque a pornografia destrói o impulso humano. Quando se trata de tirar o telefone e assistir vídeos emocionantes, namorar uma pessoa e ter uma conversa é difícil e não é uso. Quando comparado com o prazer fácil da pornografia, o prazer duradouro de um casamento feliz, ou mesmo um trabalho bem feito, é relativamente inútil. Em comparação com a satisfação livre de estresse do sexo virtual, a satisfação adquirida com o esforço para criar filhos e construir um negócio é irreal. Como Rousseau aponta no último livro de Emílio (e como o programa Futurama ilustra com humor em um de seus episódios), muitas realizações pessoais e civilizatórias são baseadas no desejo natural dos homens de impressionar as mulheres.

Leia também
Como vencer o pecado da masturbação?

Impacto social da luxúria

Este é o principal problema da luxúria. Embora associada a paixões descontroladas e agressões, a luxúria tem mais em comum com a inatividade e a mediocridade da preguiça do que com a destrutividade ardente da raiva ou do orgulho. Shakespeare expressa em Soneto 129: “O gasto do espírito em um desperdício de vergonha é luxúria em ação.” Santo Agostinho também atesta este efeito engarrafamento da luxúria em suas Confissões. Mesmo depois de ter resolvido suas objeções intelectuais ao cristianismo, só quando ele renunciou à sua luxúria ele poderia finalmente tomar medidas e converter-se.

Como Marc Barnes explica em um brilhante ensaio sobre o assunto, grande parte do mundo atual se voltou para a pornografia. E enquanto a maioria dos homens definham em sua luxúria, as mulheres os superaram em todas as esferas da vida:na escola, nos negócios, na política e, quando apropriado, em casa. Embora isso pudesse ser considerado um triunfo do feminismo, também poderia ser visto como um triunfo da pornografia. As mulheres parecem ter subido tanto quanto os homens caíram. Embora essa evolução possa levar algumas mulheres a se vangloriar e alguns homens reclamarem, a maioria dos homens e mulheres simplesmente lamenta o desafio de encontrar um parceiro do sexo oposto com o qual estar no mesmo nível.

Não é por acaso que os dois maiores exemplos de culturas pornográficas são os dois países que vivem atualmente um declínio populacional: Japão e Alemanha. Esses dois países, outrora potências industriais e tecnológicas, estão agora no crepúsculo de sua prosperidade. Ambos adotaram pornografia irrestrita e sexo virtual, e agora, longe de serem as sociedades militantes e energéticas que eram há um século, são nações passivas “herbívoras”. Muitas mulheres desistiram de encontrar um parceiro, já que muitos dos homens perderam a masculinidade e preferem intimidade com mulheres artificiais.

No entanto, quando surge o problema da despopulação, poucos ou nenhum demógrafo menciona a presença e influência da pornografia. Em vez disso, eles olham para fatores econômicos como a urbanização e a secularização que tornaram o casamento e a falta de filhos. Então, quando eles fazem propostas para neutralizar as baixas taxas de natalidade, é sempre sobre subsidiar a paternidade de alguma forma. Recentemente, a Hungria implementou tais políticas com sucesso, obtendo a aprovação de muitos conservadores. Progressistas, mesquinhos, significam, tendem a trazer mais imigrantes para compensar a perda de população.

No entanto, uma solução muito mais simples seria proibir completamente a pornografia na internet. Essa sugestão foi avançada por alguns conservadores, que têm argumentado que o fácil acesso à pornografia na internet é um mal da sociedade que deve ser eliminado pelo bem comum. Libertários rejeitaram essa ideia reivindicando liberdade e argumentando que estavam tentando “legislar a moralidade”. O debate tornou-se rapidamente a ideia de se os conservadores devem priorizar o bem comum ou a liberdade. Quanto à proibição da pornografia, essa ideia não chegou a lugar nenhum e foi abandonada.

A Missão da Igreja

Uma vez que a pornografia nunca será proibida – na verdade, é mais provável que o governo bana as críticas à pornografia, considerando-as uma desinformação odiosa – cabe às pessoas normais fazê-lo por conta própria. Esta é uma área em que a Igreja deve desempenhar um papel muito mais ativo pregando regularmente contra a pornografia, reconhecendo que sua influência perniciosa sobre a alma está diretamente relacionada com a formação das famílias e a realização da excelência moral. E, mais importante, os pais devem colocar limites rígidos em seus dispositivos, até mesmo limitar completamente o uso da internet, fazendo o seu melhor para eliminar a tentação para si e seus filhos.

É claro que remover o acesso à pornografia não resultará imediatamente em uma casa e comunidade renovadas e vibrantes, mas serve para estabelecer as bases. Este problema não foi resolvido por muito tempo, minando o impulso de muitos homens que entram na idade adulta. Se você começar a agir agora, você pode não recuperar essa inocência anterior, mas você tem a energia. Por sua vez, eles serão capazes de canalizar essa energia para ter suas próprias famílias e, esperançosamente, preservar a inocência de seus próprios filhos.

Traduzido de Religion en Libertad

Leia também
Estudo: Crianças de apenas sete anos assistindo pornografia

A Pandemia da Pornografia

em maconha, nem crack, nem cocaína… A mais nova e popular droga do momento se chama pornografia. É isso mesmo! Está comprovado que a pornografia age realmente como uma droga no corpo humano. Além de afetar o comportamento e a atividade cerebral, a exposição contínua a material pornográfico pode causar vício e dependência.

Aprenda como vencer a pornografia e a masturbação nesta série de aulas: