Categorias
Mundo

Irmã Deirdre, coronel, cirurgiã e freira “eterna pró-vida”: “Muitos católicos são mal catequizados”

 

irmã Deirdre Byrne é neste momento uma das mais famosas religiosas dos Estados Unidos, principalmente por sua participação na Convenção do Partido Republicano na qual fez uma defesa fervorosa em favor da vida, declarando- se “eterna pró-vida”.

Este fato atraiu muitos elogios, mas também inúmeras críticas, por seu apoio a Trump nessas questões relacionadas à vida. Mas muito antes dessa polêmica, essa freira das Pequenas Operadoras dos Sagrados Corações já era considerada heroína nacional depois de ter sido coronel do Exército, cirurgiã em vários países do mundo e depois freira que cuida de pacientes em extrema pobreza nos Estados Unidos. Por tudo isso, foi reconhecido há mais de um ano no Lincoln Memorial em Washington durante o Dia da Independência.

Coronel aposentado do Corpo Médico do Exército dos EUA e cirurgiã missionária, ela viajou pelo mundo tratando militares e necessitados no Afeganistão, Iraque, Haiti, Quênia ou Sudão. Ela é atualmente uma cirurgiã voluntária no Centro Católico Espanhol em Washington, DC, e auxilia na clínica de fisioterapia de sua ordem, enquanto cuida de vários membros idosos.

Irmã Byrne no Haiti, após o grande terremoto que atingiu o país em 2010

Uma preocupação com os mais fracos

Em uma entrevista ao National Catholic Register, a irmã Byrne explicou que “como médica católica, irmã e ser humano, acredito que o aborto legal é a questão mais crítica para nós”.

Portanto, ele decidiu arriscar as críticas com esta participação na convenção depois de refletir “como outras questões vão de mãos dadas com nossa responsabilidade de defender a vida por nascer, como o respeito pela liberdade religiosa e a liberdade de expressão”.

“Tomei tudo isso em oração e pedi ao Senhor: ‘Senhor, ajude-me a ser a sua voz de qualquer maneira que você quiser.’ Então recebi um telefonema naquele mesmo dia da Casa Branca pedindo-me para falar”, acrescentou.

Essa freira tem um duplo status de cirurgiã e médica especialista em reverter abortos químicos. E ele vê um grande avanço dos Estados Unidos nessa questão. “Usamos ultrassom agora e vemos claramente o bebê e seu coração batendo na 6ª semana, quando muitas mulheres descobrem que estão grávidas. Foi isso que transformou o Dr. Bernard Nathanson, o médico abortista que se tornou um ativista pró-vida ”, explica.

Embora ela assegure que sua principal função na área da medicina é a de cirurgiã, “meu coração – acrescenta – está com os nascituros e ajudo em um programa que atende mulheres que desejam reverter o aborto” realizado por meio de uma pílula.

Abortos químicos reversos

Irmã Byrne “Quando uma jovem clica no site para ver como ela pode reverter seu aborto, enfermeiras estão disponíveis nos Estados Unidos 24 horas por dia. Eles encontram a localização da pessoa que ligou e usam uma lista nacional de médicos para encontrar alguém que possa ajudar.”

Assim que a chamarem para estes casos – diz a freira – “Ofereço ajuda à jovem e respondo às suas perguntas. Depois o tratamento: uma alta dose de progesterona, usada para inundar o corpo e competir com o mifepristone, também conhecido como RU-486, que sufocaria a vida da criança. Eu me encontro com a mulher um ou dois dias depois para ver como ela está médica e espiritualmente e faço um ultrassom para ter certeza de que tudo está indo bem com a criança. Mais da metade dos filhos dessas mulheres sobrevivem e são saudáveis ​​e vibrantes.”

Uma das expressões que mais penetrou em sua mensagem foi sua definição de “eterna pró-vida”. A irmã queria explicar isso garantindo que, como cristãos “nos preparamos para a vida eterna seguindo os ensinamentos do Senhor. Primeiro, somos chamados para cuidar dos mais vulneráveis, e você não pode ser mais vulnerável do que o nascituro. E estamos aqui para cuidar dos pobres e famintos. Como recordou Madre Teresa: ‘Tudo o que fizeres aos meus irmãos menores, fazes a mim ”(Mt 25,40)”.

Muitos católicos são mal catequizados”

Em sua opinião, esse é o “ponto crucial” da fé católica. No entanto, considera que “muitos católicos são mal catequizados. Por exemplo, muitas de minhas pacientes moram juntas e usam anticoncepcionais. Se são católicos, dou-lhes uma ‘conversa direta’, mas com humor. Eu faço porque ninguém mais tem ou vai. E se não, terei que responder ao Senhor, que vai me perguntar: ‘por que você não fez mais?’

Por outro lado, a irmã Byrne lembra que “devemos estar em estado de graça para entrar no céu, e o sacramento da reconciliação nos dá a oportunidade de refletir sobre nossa pecaminosidade. Deus quer que sejamos santos”.

A origem de uma vocação

Deirdre Byrne serviu a outras pessoas com diversos trajes: com a bata de médico cirurgião, com o uniforme de coronel do Exército, e agora com o hábito religioso, ao qual ela deseja dedicar o resto da vida. E com todos os três, ele conseguiu viajar pelo mundo ajudando os feridos e necessitados: Afeganistão, Egito, Haiti, Quênia, Coréia, Iraque ou Sudão …

Até mesmo sua formação médica permitiu que ela cuidasse de Madre Teresa durante suas viagens aos Estados Unidos ou a encarregada de supervisionar o período pós-operatório do cardeal Hickey, então arcebispo de Washington, após passar por uma cirurgia cardíaca aberta em 1996. Já então começou a sentir a vocação para a vida religiosa . Ela queria fazer parte de uma ordem tradicional em que a Eucaristia era o centro. Mas levaria alguns anos antes que eu acabasse dando o salto para esta vida.

Enquanto isso, a irmã Byrne teve várias experiências missionárias ajudando comunidades religiosas como médica. Também na Califórnia, passou-se algum tempo treinando equipes médicas que iam em missão.

Essa preocupação com a vida religiosa crescia nela . Mas ele estava procurando seu lugar. Foi assim que conheceu uma pequena congregação chamada Pequenos Operadores dos Sagrados Corações, voltada para Adoração, Educação e Saúde.

Deirdre fez a primeira profissão de votos, mas então o Exército dos Estados Unidos voltou para exigir sua ajuda. Foi assim que acabou chegando ao posto de coronel. Na época ele estava, entre outros destinos, no Afeganistão. “Estávamos a apenas seis milhas da fronteira com o Paquistão e ouvimos os mísseis acima de nossas cabeças”, disse ele em uma entrevista à revista médica Georgetown . “O hospital era uma das poucas áreas seguras na base, pois estava sendo testado de bombas, para que nossos pacientes estivessem protegidos”, acrescentou.

Ela reconhece que naquela época “eu tinha um pé na vida religiosa e o outro com o Tio Sam”. Mas quando ela finalmente voltou do Afeganistão em 2009, ela se aposentou do Exército e fez votos perpétuos como freira. O uniforme militar já fazia parte de seu passado.