Categorias
Mundo

Fiéis pedem que missa de Paulo VI seja celebrada “com dignidade e fidelidade”

Numa carta dirigida aos bispos da França, oito fiéis que frequentam a santa missa segundo o Missal Romano de São Paulo VI pedem que a liturgia promulgada após o Concílio Vaticano II “seja celebrada com dignidade e fidelidade”, segundo o desejo expresso pelo Papa Francisco em seu motu próprios custódios Traditionis.

Conscientes das palavras do Papa Francisco condenando, em seu próprio nome, os custódios Traditionis “os muitos lugares onde as prescrições do novo missal não são celebradas com fidelidade”, enviaram oito fiéis vinculados ao novo Ordo Missae – leigos, sacerdotes e religiosos uma carta aos bispos da França pedindo-lhes que promovam as indicações dadas pelo Concílio Vaticano II para a celebração litúrgica: o silêncio, a orientação, o latim e o próprio da missa, mas também o uso do canto gregoriano, a polifonia e o órgão. Eles também convidam os católicos que desejam enviar esta carta, em seu próprio nome, ao seu bispo.

Carta dos fiéis aos bispos

Excelências:

Em 16 de julho, o Papa Francisco publicou Traditionis custodes, um motu proprio para restringir o uso da missa de acordo com o Missal de 1962, os livros litúrgicos publicados pelos santos papas Paulo VI e João Paulo II após o Vaticano II, convertidos no “único expressão da lex orandi do rito romano ». Depois da surpresa, o recebemos com confiança e queremos que ele contribua para a unidade do Povo de Deus.

Em nossas paróquias, estamos comprometidos com o serviço da liturgia e aderimos ao Missal Romano publicado por São Paulo VI e posteriormente republicado por São João Paulo II. Gostamos da sua nobre sobriedade e da sua força espiritual e esperamos que una as comunidades paroquiais e que seja também do seu agrado. No entanto, dois pontos da carta aos bispos que acompanha o motu proprio chamaram nossa atenção:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

1 – O Papa Francisco diz que está “entristecido pelos abusos de ambas as partes na celebração da liturgia”. Como Bento XVI, “ele condena o fato de que em muitos lugares a celebração não é fiel às prescrições do novo Missal, mas é mesmo entendida como uma autorização ou mesmo uma obrigação de criatividade, que muitas vezes leva a distorções. do suportável “: compartilhamos com ele esse sentimento e essa observação. Os abusos e a criatividade mencionados são comuns nas paróquias que frequentamos e nos impedem de deixar claro que, no Missal promulgado por Paulo VI, o Rito Romano não só foi preservado, mas foi renovado, respeitando fielmente a Tradição.

2 – O Papa pede que “cada liturgia seja celebrada com dignidade e fidelidade aos livros litúrgicos promulgados depois do Concílio Vaticano II”. A eficácia da liturgia na vida da Igreja depende em grande medida da fidelidade aos ritos prescritos, portadores da graça do sacramento. Sem esta fidelidade, o caráter humano da liturgia tende a prevalecer e a limitar o dom de Deus, se não a obstruí-lo totalmente. O Missal Romano e sua Instrução Geral especificam o uso desses ritos e os sinais sensíveis com os quais a fé é alimentada, fortalecida e expressa.

Como o Papa Francisco, também nós vos repetimos que o povo de Deus precisa de vós para dar a conhecer e aplicar as normas estabelecidas pelo Concílio Vaticano II contidas no Missal Romano. Precisamos de vós, guardiães da Tradição, para nos nutrir do espírito da liturgia (SC nº 29; PGMR nº 387). Estamos empenhados em trabalhar convosco para manter este espírito vivo nas nossas paróquias.

Preocupados com a unidade e com uma maior fidelidade à Igreja, parece-nos importante prestar uma atenção renovada a todas as indicações do Concílio Vaticano II e promover a sua utilização, que testemunham a nossa tradição litúrgica romana. Especificamente, o silêncio sagrado (SC n.30; PGMR n.45), aquele da Massa (PGMR n.48-87), orientação (PGMR n.146-154-157) e latim (SC n. 36-54) são dados a nós pelo Missal Romano para servir ao mistério que celebramos. No que diz respeito à música litúrgica, tanto o canto gregoriano (SC nº 116) como a polifonia (SC nº 112-113) e o órgão (SC nº 120) nos foram legados como um tesouro de valor inestimável que eleva fortemente a nossa. almas para o céu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na véspera da nova tradução francesa do Missal, que este motu proprio seja para a nossa Igreja e as nossas comunidades uma oportunidade para aprofundar o mistério da Eucaristia, fonte e ápice da vida cristã. Que nos permita crescer na fidelidade às prescrições da Igreja, sacramento da unidade, para a santificação dos homens e a glorificação de Deus em Cristo.

Garantimos nossas orações por seus ministérios e pela Igreja.

Dom Loys DE THE,promotor da carta e membro da associação Eclesia Cantic (diocese de Chambéry)

Msgr. Denis CROUAN,Doutor em Teologia e Presidente da Associação Pró Liturgia (Diocese de Estrasburgo)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dom Jean-François FREMONT,organista e mestre da capela da Igreja Dama (Diocese de Versalhes)

Bispo Pierre FRIESS,pároco de Villars les Dombes (diocese de Belley Ars)

Dom Bernard FROSSARD, membro da associação Esprit de la Liturgie (diocese de Roma)

Bispo Pierre-Yves HUET, membro da comunidade Emmanuel (Diocese de Munique)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Irmão Frédéric PERUTA,monge beneditino da Abadia de Santa Wandrille (diocese de Rouen)

Dona Dona aFrançoise STREBLER, responsável pela música litúrgica e mestre da capela da catedral (diocese de Valência).

Traduzido de InfoVaticana


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE