Categorias
Liturgia

Existem padres que transformam a missa em uma espécie de espetáculo, afirma arcebispo

 

Em uma entrevista para o programa “Chaves para um mundo melhor”, do CANAL 9, o Arcebispo Emérito de La Plata, dedicou uma catequese ao que definiu como “devastação da liturgia” nas celebrações das missas.

Dom Aguer disse que “certamente existem padres que celebram a missa muito corretamente, mas há outros que não o fazem e, em muitos lugares, a tendência é transformar a missa em uma espécie de espetáculo, em um espetáculo… significa? Penso que isso significa que o sentido do mistério litúrgico se perdeu porque se perderam a solenidade, a beleza, a seriedade e o ajuste às rubricas que a Igreja quer celebrar a missa. Um padre não pode fazer o que quiser com a missa. O Concílio Vaticano II disse na “Constituição para a Sagrada Liturgia” que ninguém, nem mesmo um padre, ousa remover, colocar ou mudar qualquer coisa por sua própria iniciativa.

Leia também: A Santa Missa e os abusos litúrgicos que ofuscam sua grandeza e seu mistério

O prelado considerou que há um problema e não se lembra “qual é a missa” e que a Igreja ensina que é o próprio sacrifício de Jesus que é feito sacramentalmente presente. Ele acrescentou: “Essa expressão, ‘santo sacrifício da missa’, parece ter caído em desuso. Não é uma reunião de irmãos, como dizemos para quaisquer outros casos, mas primeiro é a Igreja que se reúne para celebrar o culto a Deus e o culto a Deus por excelência. Na Nova Aliança, é a oferta ao Pai do sacrifício de Páscoa de Jesus que está presente sacramentalmente pela ação do Espírito Santo”.

A liturgia na Argentina está devastada!

A missa é um mistério e não pode se transformar em um espetáculo. Não podemos usar a missa para nos divertir por um tempo… Isso, infelizmente, se espalhou enormemente na Argentina e em outros países também. Lembro-me de que no ano passado ou no ano anterior encontrei o cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto e a Disciplina Divina dos Sacramentos, em Roma, e estava falando dessas questões, lhe disse: ‘Eminência na Argentina, a liturgia é devastada’, E ele me disse: ‘Excelência não apenas na Argentina’. Portanto, infelizmente, é um problema mundial.”

Leia também: Cardeal Sarah: A Igreja Católica sofre porque muitos padres perderam o sentido do sagrado

Por fim, Mons. Héctor Aguer esclareceu que “os fiéis têm o direito de que a missa seja celebrada como Igreja quer” e que “há uma objetividade na liturgia e essa objetividade é a garantia de que o essencial é respeitado, porque, do contrário, se perde o mistério litúrgico e isso não ajuda a formar bem os fiéis se, pelo contrário, os fiéis se desviam. Você não pode levar uma vida espiritual séria de verdadeira oração, da adoração a Deus, se alguém não entende o mistério litúrgico e não o vive intensamente ».