Categorias
Mundo

Cardeal Zen para congressistas: China quer ‘rendição’ do Vaticano

Depois de se encontrar com o cardeal, o congressista Smith disse que o cardeal Zen “é um São Paulo de nossa época, que não é apenas uma testemunha santa e eficaz do Evangelho de Jesus Cristo, mas também um homem de grande verdade sobre o que realmente é. acontecendo na China. ”

WASHINGTON, DC – O cardeal Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong, disse que a situação da Igreja na China é terrível. O cardeal também previu o fim da Igreja subterrânea. 

“A situação é muito ruim. E a fonte não é o papa. O papa não sabe muito sobre a China ”, disse o cardeal Zen à CNA na terça-feira

“O Santo Padre Francisco mostra um carinho especial por mim”, disse o cardeal Zen, mas acrescentou que está em confronto com o cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano.

Estou lutando com Parolin. Porque as coisas ruins vêm dele ”, acrescentou o cardeal Zen. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O cardeal Parolin, disse o cardeal Zen, é “tão otimista quanto ao chamado ‘Ostpolitik’, o compromisso”.

Mas, disse o cardeal à CNA, “você não pode se comprometer” com o Partido Comunista Chinês, a quem ele chamou de “perseguidores” da fé.

“Eles querem rendição completa. Isso é comunismo. ”

O cardeal Zen conversou com a CNA em 11 de fevereiro, enquanto estava em Washington, DC, para se encontrar com membros do Congresso no escritório do congressista americano Chris Smith, RN.J.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após a reunião, o deputado Smith disse à CNA que o cardeal Zen “é um São Paulo de nossa época, que não é apenas uma testemunha santa e eficaz do Evangelho de Jesus Cristo, mas também um homem de grande verdade sobre o que realmente é. acontecendo na China. ” 

Durante a reunião, o cardeal e os membros do Congresso falaram sobre o programa de “sinicização” da prática religiosa da China no país e o esforço de um ano do governo comunista para colocar à força a religião sob seu controle.

Algumas celebrações do Natal foram proibidas na China, as Bíblias foram reescritas por ordem das autoridades regionais e as vocações estão diminuídas, disse o cardeal Zen aos legisladores.

“Acho que isso teve um efeito paralisante na Igreja Católica”, disse o representante Smith.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 2018, a Santa Sé e a China chegaram a um acordo sobre a ordenação de bispos nas dioceses chinesas, dando voz ao regime comunista na seleção e verificação de candidatos episcopais. Esse acordo deveria unificar a Igreja na China, trazendo a Associação Patriótica Católica Chinesa sancionada pelo Estado em comunhão com a Santa Sé e unificando-a com a Igreja subterrânea leal a Roma.

Críticos do acordo, incluindo o cardeal Zen, alertaram que a Igreja clandestina não seria suficientemente protegida dos esforços do governo chinês para impor sua ideologia a todas as religiões do país, incluindo o catolicismo.

Um relatório da Comissão Congressional da China, publicado em janeiro, observou que os abusos dos direitos humanos se intensificaram na China durante o ano de 2019, e a perseguição aos católicos piorou após o acordo entre o Vaticano e a China.

“Cada vez mais, a Igreja está sob perseguição”, disse o cardeal Zen na terça-feira, “tanto a Igreja oficial quanto a clandestinidade”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Igreja clandestina, disse ele, “está fadada ao desaparecimento”, à medida que os bispos mais velhos leais à fé estão morrendo e nenhum novo bispo está sendo indicado – o que significa que nenhum novo sacerdote pode ser ordenado.

O cardeal Zen disse que os católicos chineses vêm a Hong Kong do continente para perguntar o que ele pode fazer pela Igreja na China. “Não posso fazer nada. Não tenho voz no Vaticano. Simplesmente não ”, ele disse à CNA.

“E assim, humanamente, a situação é desesperadora para a Igreja Católica”, acrescentou o cardeal Zen.

O cardeal Zen é o bispo emérito da diocese de Hong Kong, a região administrativa especial assistiu a quase um ano de protestos pró-democracia, começando com a oposição um projeto de lei para permitir a extradição de indivíduos de Hong Kong para a China continental. Os protestos também se concentraram em proteger o status especial de Hong Kong contra a crescente influência e controle percebidos pelo governo da China continental. O projeto de extradição acabou sendo retirado da consideração.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Recentemente, a CNA informou que um candidato ao próximo bispo de Hong Kong havia sido convocado pelo Vaticano, mas que o anúncio foi adiado porque o candidato seria visto como muito solidário com o governo da China continental. Pe. Peter Choy Wai-man foi escolhido para suceder o bispo Michael Yeung Ming-cheung, que morreu inesperadamente em janeiro de 2019. 

Desde então, a diocese é administrada pelo sucessor imediato do cardeal Zen, cardeal John Tong Hon, que se aposentou em 2017. A CNA também informou que a primeira escolha do Vaticano como o novo bispo de Hong Kong, atual auxiliar do bispo Joseph Ha Chi – teve sua nomeação suspensa antes de ser anunciado depois que ele foi fotografado participando de protestos de rua contra o governo.

Tradução de National Catholic Register | Matt Hadro / CNA


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE