Categorias
Vaticano

Cardeal Müller: “Estamos testemunhando a negação herética da fé católica”

 

O cardeal Gerhard Müller, prefeito emérito da Congregação para a Doutrina da Fé, publicou em First Thing o artigo “Bênção e blasfêmia”, no qual condena radicalmente as bênçãos das uniões homossexuais ocorridas na Alemanha, pede a Roma que não guarde silêncio diante deles e expressa seu medo de que o remanescente fiel em seu país natal se desintegre.

O Cardeal Müller coloca em seu artigo toda a autoridade moral que mantém a serviço da verdade sobre o que está acontecendo na Igreja e mais especificamente na Alemanha, sua pátria. Lembre-se de algo elementar. A saber:

“A declaração da Congregação para a Doutrina da Fé de 22 de fevereiro simplesmente expressou o que todo cristão católico que foi instruído nos conceitos básicos de nossa fé: A Igreja não tem autoridade para abençoar as uniões do mesmo sexo.”.

Ele argumenta sobre a tese absurda de uma urgência quando se trata de abençoar as uniões homossexuais, lembrando qual tem sido a atitude da Igreja diante da pandemia:

“A posição em que bispos e teólogos repentinamente insistem na urgência pastoral de abençoar casais homossexuais em áreas onde por muitos meses os crentes foram privados do conforto e da graça dos sacramentos durante o coronavírus não é crível. Este fato mostra como o lençol freático dogmático, moral e litúrgico baixou. Se os bispos proibiram a participação na missa, as visitas sacerdotais aos enfermos e os casamentos na igreja devido ao risco de infecção, então sua alegação de que há uma necessidade urgente de abençoar os casais do mesmo sexo não é nem remotamente plausível. ».

E tira a conclusão relevante:

“Portanto, o escândalo na Alemanha não é sobre indivíduos e suas consciências. Nem indica preocupação com sua salvação temporal e eterna. Em vez disso, o que estamos testemunhando é a negação herética da fé católica no sacramento do casamento e a negação da verdade antropológica de que a diferença entre homens e mulheres expressa a vontade de Deus na criação.

O purpurado explica que o que se passa na Alemanha, que descreve como “teologia que volta ao paganismo”, questiona não só o magistério petrino mas também a revelação de Deus, insistindo com impertinência em se autodenominar católica:

O espetáculo de bênçãos de pessoas do mesmo sexo não só questiona a primazia do magistério petrino, que se baseia na revelação, mas também questiona a autoridade da própria revelação de Deus. O que há de novo nessa teologia que retorna ao paganismo é sua impertinente insistência em se autodenominar católica, como se a Palavra de Deus na Sagrada Escritura e na Tradição Apostólica pudesse ser descartada como mera opinião piedosa e expressão temporária de sentimentos religiosos e ideais que devem evoluir e desenvolver de acordo com novas experiências, necessidades e mentalidades. Hoje somos informados que reduzir as emissões de CO2 é mais importante do que evitar os pecados capitais que nos separam de Deus para sempre.

O prefeito emérito da CDF nega qualquer legitimidade ao caminho sinodal alemão;

«O« caminho sinodal »não é legitimado pela constituição da Igreja Católica. É motivado por estereótipos anticlericais: padres e bispos obcecados pelo poder que, devido ao voto de celibato, são supostamente propensos a perversões sexuais e que deliberadamente mantêm as mulheres fora de seu clube masculino e negam-lhes altas honras eclesiásticas.

E pede a Roma – isto é, ao Papa – que não se cale, porque senão a Igreja na Alemanha se desintegrará:

“Pela verdade do Evangelho e pela unidade da Igreja, Roma não deve vigiar em silêncio, esperando que as coisas não vão muito mal, ou que os alemães possam ser apaziguados com sutilezas táticas e pequenas concessões. Precisamos de uma declaração clara de princípios com consequências práticas. Isso é necessário para que, após quinhentos anos de divisão, o remanescente da Igreja Católica na Alemanha não se desintegre, com consequências devastadoras para a Igreja universal.

Por fim, lembre-se que o primado da Igreja em Roma tem uma razão de ser, que é salvaguardar a unidade da Igreja universal na verdade da fé:

“O primado é concedido à Igreja de Roma não só pelas prerrogativas da Cátedra de Pedro, para que cujo ocupante fizesse o que quisesse, mas antes pelo grave dever do Papa, atribuído por Cristo, de zelar pela unidade. da Igreja universal na fé revelada.

Traduzido de InfoCatólica