Categorias
Aborto Mundo

Bispos reúnem multidão em missa pró-vida opondo-se ao presidente que planeja legalizar o aborto

A Missa Dominical realizada ontem na Basílica de Luján, na Argentina, reuniu uma verdadeira multidão de fiéis que, no Dia Internacional da Mulher, decidiram protestar contra o projeto de lei que legaliza o aborto no país, anunciado no dia 1º deste mês pelo Presidente Alberto Fernández.

Em sua homilia, o bispo Ojea disse que “nesta Eucaristia viemos celebrar e expressar nossa gratidão pela vida de tantas mulheres unidas no sentimento de tantas pessoas no mundo neste dia internacional da mulher”.

LUJAN, Argentina – Enquanto o presidente argentino se prepara para enviar um projeto de lei ao legislador que legaliza o aborto, milhares assistiram a uma missa pró-vida no dia 8 de março na Basílica de Nossa Senhora de Lujan.

A Fundação Mas Vida estimou a participação em mais de 100.000 pessoas.

A conferência dos bispos argentinos organizou a missa com o tema “Sim para as mulheres, sim para a vida”. O principal celebrante foi o bispo Oscar Vicente Ojea Quintana, de San Isidro, presidente da conferência.

O objetivo do evento era se opor ao projeto de legalização do aborto a ser enviado pelo presidente Alberto Fernandez ao Congresso, anunciado na semana passada.

A lei argentina permite o aborto nos casos em que a vida ou a saúde da mãe está em perigo, ou nos casos de estupro.

Em sua homilia, o bispo Ojea disse que “nesta Eucaristia viemos celebrar e expressar nossa gratidão pela vida de tantas mulheres unidas no sentimento de tantas pessoas no mundo neste dia internacional da mulher”.

“Valorizamos sua presença insubstituível nas famílias e celebramos o lugar cada vez maior que você tem em nossa sociedade”, disse o prelado, acrescentando que todos vieram a Luján para “orar por todas as mulheres, para que suas vidas, sua segurança e sua vida sejam preservadas”. direitos são respeitados, superando todo tipo de exclusão. ”

“Mas, de uma maneira especial, queremos celebrar e apreciar a proximidade e o compromisso das mulheres com a vida”, disse ele, e especialmente aquelas “mulheres inteligentes e corajosas que dedicam suas vidas dia após dia, aquela vida que às vezes faz com que sua presença seja conhecida. gravidez não planejada, que talvez não aconteça no melhor momento, mas eles estão completamente comprometidos em cuidar desse novo ser que receberam ”.

O bispo ressaltou que “existem milhões de homens e mulheres argentinos, crentes e não crentes” que “têm a profunda convicção de que existe vida desde a concepção e que uma pessoa diferente da mãe está desenvolvendo em seu ventre”. Além disso, ele enfatizou que “é injusto e angustiante chamá-los de anti-direitos ou hipócritas”.  

“Na realidade, valorizamos e defendemos os direitos de toda e qualquer vida, de todas as mulheres e de todos os nascituros”, disse o presidente da conferência dos bispos.

Ele enfatizou que “não é correto eliminar nenhuma vida humana, como afirma nossa Constituição Nacional”
e que “violência e morte são exatamente o oposto do plano de Jesus”.

“A vida é o primeiro direito e sem ela nenhum outro pode ser dado. Reivindicamos isso para todos, em qualquer idade ou situação em que a vida se encontre, e especialmente aqueles que são fracos, desprotegidos e indefesos ”, afirmou.

Ao mesmo tempo, o bispo Ojea disse que os membros da Igreja “deploram de todo o coração a crueldade do feminicídio e todo tipo de violência e discriminação contra as mulheres”, como “abuso em todas as suas formas, sejam sexuais, psicológicas ou abuso de poder, qualquer que seja o ambiente onde ocorre, a família, o trabalho, a escola, a rua e dolorosamente devemos também dizer na Igreja. ”

“Vamos renovar nesta Eucaristia nosso compromisso de banir de nós uma cultura que possa promover encobrimento e qualquer tipo de silêncio cúmplice diante desse crime”, disse o bispo.

Ele também pediu civilidade no debate de políticas públicas e falou contra silenciar ou estigmatizar pessoas que só podem aprofundar as divisões da sociedade argentina.

O bispo pediu ao clero que apoiasse “a implementação da educação sexual que seja verdadeiramente integral” e “políticas que reconheçam a igual dignidade de homens e mulheres na sociedade”.

O Bispo Ojea expressou apoio a políticas públicas para ajudar as mulheres grávidas, especialmente aquelas em situações em que há conflito ou extrema vulnerabilidade e observou: “Já estamos fazendo isso em muitas de nossas comunidades”.

Um projeto de lei para legalizar o aborto nas primeiras 14 semanas de gestação passou por pouco na Câmara dos Deputados em 2018, mas foi rejeitado pelo Senado.

Traduzido de National Catholic Register