Categorias
Aborto

Arcebispo pede que comunhão não seja dada a nenhum político abortista

O arcebispo de Denver (EUA), Samuel Aquila, juntou-se à lista de bispos que denunciam a comunhão para políticos pró-aborto e outros católicos dissidentes que persistem em pecados graves.

Em um artigo de opinião publicado na revista jesuíta America, Heterodox e Pró-LGBT, Dom Aquila pediu aos católicos que abraçassem a “coerência eucarística” e “levassem o pecado a sério”.

O arcebispado recordou a Primeira Carta aos Coríntios, na qual São Paulo avisa que qualquer um que participe da Eucaristia “de maneira indigna será culpado de profanar o Corpo e o Sangue do Senhor”.

“Essas palavras sobre o amor da Igreja àqueles que ousam se aproximar do altar são palavras de cuidado e misericórdia, dadas a nós pelo Espírito Santo, para proteger e curar”, escreveu Aquila.

“Mas oferece um aviso sóbrio: aqueles de nós que professam a fé da igreja devem viver como a igreja nos ordena porque através de sua igreja Jesus Cristo nos chama ao arrependimento, perdão e santidade. Aproximar-se da Eucaristia de outra forma é nos condenar no altar do Senhor”, exortou o arcebispo.

Leia também
Um padre pode negar a comunhão?

«Isso é verdade para todos os católicos, mas é particularmente relevante em relação ao falso testemunho que muitos funcionários públicos às vezes mantêm em relação às verdades mais fundamentais da pessoa humana”, acrescentou o Arcebispo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O ensino da Igreja sustenta que os católicos, principalmente políticos e governantes, que promovem o aborto cometem pecado grave e não podem ser admitidos na Eucaristia. Dom Aquila apontou disposições semelhantes na lei canônica que proíbem dar a Santa Comunhão àqueles em estado objetivo de pecado mortal.

Leia também
“O PT não existiria se não fosse a Teologia da Libertação” revela Lula a Leonardo Boff

«A eucaristia é um dom, não um direito, e a santidade desse dom só é diminuída pela recepção indigna”, disse ele. “Devido ao escândalo público causado, isso é especialmente verdadeiro no caso de funcionários públicos que governam persistentemente em violação do direito natural, em particular às questões preeminentes do aborto e da eutanásia, a tomada de vidas inocentes, bem como outras ações que não defendem o ensino da igreja no que diz respeito à dignidade da vida”

Traduzido de InfoCatolica

Leia também
Como pode Joe Biden se declarar católico apesar de apoiar o aborto e a agenda gay?


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE