Categorias
Orações

Aprenda a rezar a Via Sacra

 

Um dos mais belos modos de se fazer a meditação sobre a Paixão de Nosso Senhor consiste em rezar a Via Sacra (Via Crucis).

Reze agora e contemple os mistérios da Paixão do Senhor com meditações de Santo Afonso de Ligório!

Clique aqui para baixar os quadros da Via-Sacra para impressão

Via Sacra

Ato de Contrição (opcional)

Meu amorosíssimo Jesus, prostrado humildemente aos vossos pés santíssimos, peço-vos, com todo o coração, perdão dos meus pecados os quais eu choro e detesto, especialmente por serem uma ofensa à vossa infinita bondade. Proponho-me querer antes morrer que vos ofender; ao invés, declaro querer vos amar sobre todas as coisas até a morte. Em compensação por tantos débitos por mim contraídos com a vossa divina justiça, ofereço-vos este breve exercício da Via Crucis em união com aquela viagem dolorosa que Vós fizestes ao Calvário por mim, indigníssimo pecador. Aceitai, ó Senhor, esta pequena oferta e dai-me a graça de ganhar todas as santas indulgências concedidas pelos vossos vigários, os Sumos Pontífices, segundo a intenção dos quais ora pretendo rezar, também para sufragar com elas as pobres almas do purgatório, depois de lhes ter aplicado uma indulgência plenária, aplico-a também por mim.

Nós te adoramos, ó Cristo, e te bendizemos
Porque com a tua santa Cruz redimiste o mundo

I ESTAÇÃO – JESUS É CONDENADO À MORTE

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Pilatos, desejando agradar à multidão, soltou-lhes Barrabás; e, depois de mandar flagelar Jesus, entregou-O para ser crucificado. (Mc 15,15)

Meditação
Considera-se nesta primeira Estação a admirável submissão do inocente Jesus no receber do iníquo Pilatos a injusta sentença de morte, para que: os pecadores recebessem a vida, e assim fossem libertos da eterna condenação. Adoro, meu Jesus, aquela divina paciência com a qual do iníquo tribunal de Pilatos recebestes a injustíssima sentença de morte: e pelos méritos de tão bela virtude, peço-vos que apagueis aquela justíssima sentença de eterna morte que tantas vezes me mereceram os meus pecados, e que me chameis no dia final entre os vossos eleitos no céu.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


II ESTAÇÃO- JESUS TOMA A CRUZ AOS OMBROS

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Depois de O terem escarnecido, tiraram-Lhe o manto, vestiram-Lhe as Suas roupas e levaram-No para ser crucificado. (Mt 27,31)

Meditação
Considera-se nesta segunda estação a resignação de Jesus Cristo ao soto-pôr os seus ombros à cruz a fim de nos animar a caminhar atrás de Si pela via da mortificação e da penitência. Bendigo, meu Jesus, a imensa caridade com a qual, por amor a mim, recebestes sobre vossos ombros feridos a pesadíssima cruz, e Vos peço dar-me a graça de pacientemente levar pela espinhosa estrada do mundo a cruz das minhas labutas, sem separar-me jamais da vossa santíssima vontade.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


III ESTAÇÃO – JESUS CAI PELA PRIMEIRA VEZ

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Vinde a Mim, todos os que estais cansados e oprimidos, que Eu hei-de aliviar-vos. Tomai sobre vós o Meu jugo e aprendei de Mim, porque sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para o vosso espírito. Pois o Meu jugo é suave e o Meu fardo é leve. ( Mt 11,28-30)

Meditação
Considera-se nesta terceira estação como o nosso benigníssimo Senhor, oprimido pelo peso da cruz e pelos golpes dos malfeitores, cai por terra, a fim de nos obter a graça de não cairmos jamais em pecado. Beijo, meu Jesus, com todo o afeto aquele terreno que Vós ensopastes do vosso sangue na dolorosa queda que sofrestes sob a cruz. Pelos méritos daquela acerbíssima pena que então sofrestes, peço-Vos que não permitais jamais que eu caia da vossa graça; e no caso de eu me encontrar caído, ressurja logo com uma contrição sincera.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


IV ESTAÇÃO – JESUS ENCONTRA SUA MÃE

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Aquele que fizer a vontade de Deus, esse é que é meu irmão, minha irmã e minha mãe. (Mc 3,35)

Meditação
Considera-se nesta quarta estação a inefável dor que experimentaram reciprocamente Jesus Cristo e a sua Santíssima Mãe ao se encontrarem no caminho do Calvário, a fim de obterem para nós a graça de fugirmos com toda a cautela de todos os encontros perigosos. Oh, pudesse também eu, ó meu Jesus, consumir-me em pranto por compaixão diante de vossos tormentos, a fim de levar-Vos com as minhas lágrimas algum conforto! Neste momento, peço-Vos, ó Jesus, pelas agonias de vossa Mãe, e a Vós também, peço, ó Maria, pelas dores do vosso Filho, que me comovais o coração e façais que, chorando até a morte, possa ter eu a bela sorte de encontrar-vos e gozar convosco para sempre na beatitude do paraíso.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


V ESTAÇÃO – JESUS É AJUDADO POR SIMÃO DE CIRENE

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Jesus perguntou: Qual […] te parece ter sido o próximo daquele homem que caiu nas mãos dos salteadores?
Respondeu: O que usou de misericórdia para com ele.
Jesus retorquiu: Vai e faz tu também o mesmo. (Lc 10, 36-37)


Meditação
Considera-se nesta quinta estação como Jesus Cristo permite ser ajudado pelo Cireneu a carregar a cruz, a fim de ensinar a nós todos a não nos avergonharmos jamais de levar junto com Ele a cruz misteriosa da pobreza, das doenças, das perseguições e das desgraças. Confundo-me, meu Jesus, ao refletir sobre a repugnância mostrada pelo Cireneu em vos ajudar a levar a cruz, e vos peço humildemente perdão pela pouca resignação com a qual eu mesmo levei até agora a mística cruz dos sofrimentos. Oh, que eu não me abata jamais por qualquer labuta que eu tenha de enfrentar, e que eu reponha sempre minha delícia no viver e morrer crucificado para todos os gostos do mundo.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


VI ESTAÇÃO – A VERÔNICA ENXUGA O ROSTO A JESUS

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Ó vós todos que passais pelo caminho,
olhai e vede
se existe dor igual
à dor que Me atormenta. (Lm 1,12)


Meditação
Considera-se nesta sexta estação como Jesus Cristo deixou impressa a imagem do seu rosto no pano da Verônica que avançou entre a multidão a fim de enxugá-lo, e com isso nos ensina o dever de desprezar todos os respeitos humanos se queremos ter o seu retrato esculpido no nosso coração. Admiro, meu Jesus, a generosa piedade da Verônica, ao avançar sem temor entre a multidão insolente para enxugar-vos a face toda gotejante de suor e de sangue; e pelos méritos desta tão bela coragem, peço-vos que me deis força para vencer todo o respeito humano e para sempre mais avançar no vosso amor.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


VII ESTAÇÃO – JESUS CAI PELA SEGUNDA VEZ

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Se alguém quiser vir após Mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me. Na verdade, quem quiser salvar a sua vida, há-de perdê-la; mas, quem perder a sua vida por causa de Mim e do Evangelho, há-de salvá-la. (Mc 8,3-35)

Meditação
Considera-se nesta sétima estação como Jesus Cristo cai pela segunda vez sob o peso da sua cruz para nos obter a força de não recairmos nunca em pecado. Oh, não permitais, ó meu Jesus, que com novos pecados eu vos renove as penas atrocíssimas e as horrendas fadigas por vós sofridas na segunda queda! A vossa paixão seja sempre na minha mente e no meu coração a fim de evitá-los com todo o desejo de renovação e de corresponder ao vosso amor com uma fidelidade inalterável no vosso santo serviço.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


VIII ESTAÇÃO – JESUS CONSOLA AS PIEDOSAS MULHERES

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Jesus voltou-se para elas e disse-lhes: Filhas de Jerusalém, não choreis por Mim, chorai antes por vós mesmas e pelos vossos filhos. (Lc 23, 28)

Meditação
Considera-se nesta oitava estação como Jesus Cristo ensinou às mulheres piedosas a chorar por si mesmas em vez de chorar por Ele, a fim de nos ensinar a chorar antes de qualquer coisa os nossos pecados, que foram a causa de todos os Seus sofrimentos. É verdade, ó meu adorável Jesus, que eu tenho mais motivos para chorar os meus pecados que os vossos tormentos, mas se os meus pecados foram a causa de todas as vossas penas, é então meu dever que eu chore por compaixão das vossas dores e por dor dos meus pecados. Concedei-me pois o dom das lágrimas, a fim de que eu chore frutuosamente até a morte, para que eu não tenha de chorar depois inutilmente toda a eternidade no inferno.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


IX ESTAÇÃO – JESUS CAI PELA TERCEIRA VEZ

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

E disse-lhes: “A Minha alma está numa tristeza mortal; ficai aqui e vigiai”. Mc 14,34)

Meditação
Considerasse nesta nona estação como Jesus Cristo, como reflexo da inutilidade da sua paixão a respeito de muitos, sente-se oprimir de modo a cair pela terceira vez sob a cruz, a fim de nos ensinar que o maior desgosto que nós podemos provocar é o de abusar dos seus benefícios e das suas graças. Não permitais, ó Senhor, que eu esteja no número daqueles que, caminhando num caminho contrário aos vossos exemplos, tornam inúteis para si próprios a vossa paixão e a vossa morte. Sustentai-me com a vossa graça, a fim de que, merecendo estar com os eleitos à vossa direita no dia do juízo, seja com eles introduzido por Vós no reino da glória.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


X ESTAÇÃO – JESUS É DESPOJADO DAS SUAS VESTES

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Assim se cumpriu a Escritura, que diz:
Repartiram entre eles as minhas vestes
e sobre a minha túnica lançaram sortes. (Jo 19,24)


Meditação
Considera-se nesta décima estação o rubor experimentado por Jesus Cristo ao ser despido diante de todos, a fim de expiar as nossas vaidades e as nossas imodéstias. Depois amargou o fel para descontar os débitos por nós contraídos por tantas gulodices. Oh, por aquele santo rubor que vos subiu, ó meu Jesus, ao ser publicamente despido das vossas vestes, concedei-me a graça de despir-me de todos os hábitos pecaminosos, e de desprezar corajosamente os boatos dos libertinos e todos os preconceitos do mundo.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


XI ESTAÇÃO – JESUS É CRUCIFICADO

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Então, Jesus, ao ver ali ao pé a sua mãe e o discípulo que Ele amava, disse à mãe: “Mulher, eis o teu filho!”
Depois, disse ao discípulo: Eis a tua mãe! E, desde aquela hora, o discípulo acolheu-a como sua. (Jo 19, 26-27)


Meditação
Considera-se nesta décima primeira estação a dolorosa carnificina suportada por Jesus Cristo ao ser estendido e pregado sobre a cruz, a fim de descontar a pena dos pecados que nós cometemos com todos os sentimentos do nosso corpo. Fico horrorizado, meu Jesus, ao pensar na bárbara e desumana atrocidade de vos pregar com tão impiedosos golpes sobre a cruz; e pelos méritos daqueles espasmos que provastes em tão horrenda carnificina, peço-vos que me deis o espírito para crucificar com a mortificação os meus sentidos, a fim de que não possam nunca se rebelar contra a vossa santíssima lei.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


XII ESTAÇÃO – JESUS MORRE NA CRUZ

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Dando um forte grito, Jesus exclamou: “Pai, nas Tuas mãos entrego o Meu espírito”. Dito isto, expirou. (Lc 23,46)

Meditação
Considera-se nesta décima segunda estação como Jesus Cristo, depois de três horas de penosíssima agonia, morreu em meio a dois ladrões sobre a cruz, a fim de dar a vida a todo o mundo e de tornar doce a nossa morte. Uma vez que, à vossa morte, ó meu Jesus, se conturbaram os céus e a terra, dai-me, peço-vos, uma contrição vivíssima das minhas culpas, para que eu não apareça mais insensível das mesmas coisas insensatas, mas ao invés, com um coração despedaçado pela dor, eu chore continuamente a vossa paixão e morte.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


XIII ESTAÇÃO – JESUS É DESCIDO DA CRUZ E ENTREGUE A SUA MÃE

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Uma espada trespassará a tua alma. Assim hão-de revelar-se os pensamentos de muitos corações. (Lc 2,25)

Meditação
Considera-se nesta décima terceira estação a acerbíssima dor de Maria ao ver, entre seus braços, o ensanguentado cadáver de seu Filho. Oh, salvaguardemo-nos de renovar tão grande tormento à Virgem com os nossos pecados, os quais são uma nova crucifixão de Jesus Cristo. Orai conosco, ó grande Virgem, já que o excesso das minhas falhas deram a morte Àquele que era imortal. Eu me doo por isso o quanto posso, e decido sofrer qualquer pena antes que renovar com a minha morte a crucifixão do vosso Filho. Vós, porém, ó Maria, que bem sabeis quanto eu sou frágil e inconstante, obtende-me a força de ser sempre fiel a tão necessário propósito.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


XIV ESTAÇÃO – JESUS É SEPULTADO

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

[ José de Arimateia ] foi ter com Pilatos e pediu-lhe o corpo de Jesus.
Descendo-O da cruz, envolveu-O num lençol e depositou-O num sepulcro talhado na rocha, onde ainda ninguém tinha sido sepultado. (Lc 23,52)


Meditação
Considera-se nesta última estação a devoção de João, de José de Arimateia, de Nicodemos e das outras piedosas mulheres ao dar digna sepultura a Jesus Cristo. Oh, Reavivemos a fé e tenhamos com relação a Ele os mesmos sentimentos de tristeza, quando, na Sagrada Comunhão, Ele vier se depositar no nosso pobre coração. Para cavar-me do sepulcro dos meus pecados, Vós quisestes descer à tumba, ó meu Jesus; agradeço-vos o quanto posso por um benefício assim tão nobre, e vos peço de completar a vossa obra ao fazer com que, vivendo continuamente na vossa graça, eu mereça viver convosco eternamente na glória.


Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


XV ESTAÇÃO – JESUS RESSUSCITA COMO TINHA DITO

V. Nós Vos adoramos e Vos bendizemos, Senhor Jesus.
R. Porque pela Vossa santa cruz remistes o mundo.

Jesus disse [a Maria Madalena]: “Não Me detenhas, pois ainda não subi para o Pai; mas vai ter com os Meus irmãos e diz-lhes: Subo para o Meu Pai, que é vosso Pai, para o Meu Deus, que é vosso Deus.'”
Maria Madalena foi e anunciou aos discípulos: “Vi o Senhor!” E contou o que Ele lhe tinha dito. (Jo 20,17-18).

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
Ó santa Mãe da dor, gravai no meu coração as chagas do Salvador.


Oração Final

Em Vós, ó Virgem Dolorosa, recordo a síntese de todos os episódios por mim meditados. Que graças místicas não Vos devem ter sido concedidas em meio àquelas angústias! Graças de sentir em Si mesma as próprias dores do Redentor. Não é sem razão que, debaixo de certo ângulo, Vós podeis ser chamada de Co­Redendora.

É a Vós que “recorro e de Vós me valho, gemendo sob o peso de meus pecados”, na inabalável convicção de que “nunca se ouviu dizer que algum daqueles que têm recorrido à Vossa proteção, implorado a vossa assistência e reclamado o vosso socorro, fosse por Vós desamparado”.

Mãe Dolorosa, é a Vós que recorro, imploro e reclamo pelo perdão de meus pecados, pela minha salvação eterna e pela total santificação de minha alma.

E muito Vos peço ainda pela sociedade em geral, e pela própria Santa Igreja Católica Apostólica e Romana, para que cheguem à plenitude de seu esplendor e graça, e possa assim ser realizada a proclamação universal do triunfo do vosso Imaculado Coração:

“Por fim Meu Imaculado Coração triunfará!”

Amém

Reze conosco, todos os dias

“Quem reza se salva, quem não reza certamente se condena!”

Santo Afonso Maria de Ligório

Conheça e adquira o nosso livro de orações: Devocionário