Categorias
Festas Litúrgicas

12 coisas que você precisa saber sobre o Sábado Santo

Cada vez que dizemos o credo, notamos que Jesus “desceu à mansão dos mortos”. O Sábado Santo é o dia que comemora este acontecimento. O que aconteceu neste dia e como o celebramos?

Aqui estão 12 coisas que você precisa saber.

1. O que aconteceu no primeiro Sábado Santo?

Aqui na terra, os discípulos de Jesus prantearam sua morte e, como era sábado, eles descansaram.

Lucas observa que as mulheres voltaram para casa “e prepararam especiarias e unguentos. No sábado, descansaram segundo o mandamento” (Lucas 23:56).

No túmulo, os guardas que ali estavam vigiavam o local para garantir que os discípulos não roubassem o corpo de Jesus.

Entretanto . . .

2. O que aconteceu com Jesus enquanto ele estava morto?

De acordo com o Catecismo da Igreja Católica:

633 A Escritura chama a morada dos mortos, para a qual o Cristo morto desceu, “mansão dos mortos ou inferno” – Sheol em hebraico ou Hades em grego – porque aqueles que lá estão são privados da visão de Deus.

É o que acontece com todos os mortos, maus ou justos, enquanto esperam o Redentor: o que não significa que a sua sorte seja idêntica, como mostra Jesus na parábola do pobre Lázaro que foi recebido no “seio de Abraão”:

“São precisamente essas almas santas, que aguardavam seu Salvador no seio de Abraão, a quem Cristo, o Senhor, entregou quando desceu à Mansão dos Mortos.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Jesus não desceu ao inferno para libertar os condenados, nem para destruir o inferno da condenação, mas para libertar os justos que foram antes dele.

634 “O evangelho foi pregado até mesmo aos mortos.” A descida ao inferno traz a mensagem do Evangelho da salvação a um cumprimento completo .

Esta é a última fase da missão messiânica de Jesus, uma fase condensada no tempo, mas vasta em seu real significado: a difusão da obra redentora de Cristo a todos os homens de todos os tempos e lugares, pois todos os salvos foram feitos participantes na redenção.

Leia também
Que está acontecendo hoje? – A descida do Senhor à mansão dos mortos

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3. Como comemoramos este dia?

De acordo com o documento principal que rege as celebrações relacionadas com a Páscoa,  Paschales Solemnitatis :

73. No sábado santo, a Igreja está, por assim dizer, no túmulo do Senhor, meditando sobre sua paixão e morte, em sua descida ao inferno, e aguardando sua ressurreição com oração e jejum.

É altamente recomendável que neste dia o Ofício das Leituras e da Oração da Manhã seja celebrado com a participação do povo (cf. n. 40).

Onde isso não pode ser feito, deve haver alguma celebração da Palavra de Deus, ou algum ato de devoção adequado ao mistério celebrado neste dia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

74. A imagem de Cristo crucificado ou deitado no túmulo, ou a descida ao inferno, que o mistério lembra o Sábado Santo, como também uma imagem da triste Virgem Maria pode ser colocada na igreja para a veneração dos fiéis.

O jejum também é encorajado, mas não obrigatório, neste dia.

4. Os sacramentos são celebrados?

Para a maior parte, não. Paschales Solemnitatis explica:

75. Neste dia, a Igreja se abstém estritamente de celebrar o sacrifício da Missa.

A Sagrada Comunhão só pode ser dada na forma de viático.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É proibida a celebração de casamentos, bem como a celebração de outros sacramentos, exceto os da Penitência e da Unção dos Enfermos. A proibição de celebrar missa aplica-se à parte do dia anterior à missa da vigília pascal (ver abaixo).

O batismo em perigo de morte também é permitido.

5. O que é a Vigília Pascal?

A vigília é a comemoração litúrgica de uma festa notável, realizada na noite anterior à festa.

O termo vem da palavra latina vigilia , que significa “vigília”, e que passou a ser usada quando os fiéis ficavam acordados para orar e fazer exercícios devocionais em antecipação à festa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Vigília pascal é a vigília realizada na véspera da Páscoa.

De acordo com Paschales Solemnitatis.

80. A Igreja celebrou desde o início aquela Páscoa anual, que é a solenidade das solenidades, sobretudo por meio de uma vigília noturna.

Porque a ressurreição de Cristo é o fundamento da nossa fé e esperança, e através do Baptismo e da Confirmação somos inseridos no mistério pascal de Cristo, morrendo, sepultados e ressuscitados com Ele, e com Ele também reinaremos.

O significado pleno de Vigil é uma espera pela vinda do Senhor.

6. Quando deve ser celebrada a Vigília Pascal?

Paschales Solemnitatis explica:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 78. “Toda a celebração da Vigília Pascal ocorre à noite. Não deve começar antes do anoitecer; deve terminar antes do amanhecer do domingo.”

Esta regra deve ser tomada de acordo com seu sentido mais estrito. Repreensíveis são os abusos e práticas que se infiltraram em muitos lugares em violação desta regra, por meio dos quais a Vigília Pascal é celebrada na hora do dia em que é costume celebrar as missas dominicais antecipadas.

As razões que foram apresentadas em alguns setores para a antecipação da Vigília Pascal, como a falta de ordem pública, não são apresentadas em conexão com a noite de Natal, nem outras reuniões de vários tipos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

7. O que acontece na Vigília Pascal?

De acordo com Paschales Solemnitatis:

81. A ordem da Vigília Pascal está organizada de forma que

  • depois do serviço da luz e da Proclamação da Páscoa (que é a primeira parte da Vigília), 
  • A Santa Igreja medita nas obras maravilhosas que o Senhor Deus realizou por seu povo desde os primeiros tempos (a segunda parte ou Liturgia da Palavra), 
  • até o momento em que, junto com os novos membros renascidos no Batismo (terceira parte), 
  • ela é chamada à mesa preparada pelo Senhor para sua Igreja – a comemoração de sua morte e ressurreição – até que ele venha (quarta parte). 

8. O que acontece durante o serviço da luz?

De acordo com Paschales Solemnitatis:

82.. . . Na medida do possível, um local adequado deve ser preparado fora da igreja para a bênção do novo fogo, cujas chamas devem ser tais que dissipem genuinamente as trevas e iluminem a noite.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Deve ser preparada a vela pascal, que para o simbolismo eficaz deve ser feita de cera, nunca artificial, renovada a cada ano, ser apenas uma e ter tamanho suficiente para que possa evocar a verdade de que Cristo é a luz. do mundo. É abençoado com os sinais e palavras prescritos no Missal ou pela Conferência dos Bispos.

83. A procissão, pela qual as pessoas entram na igreja, deve ser conduzida somente pela luz da vela pascal. Assim como os filhos de Israel eram guiados à noite por uma coluna de fogo, da mesma forma, os cristãos seguem o Cristo ressuscitado. Não há razão para que a cada resposta “Graças a Deus” não deva ser adicionada alguma aclamação em honra de Cristo.

A luz da vela pascal deve ser passada gradualmente para as velas que é conveniente que todos os presentes segurem em suas mãos, desligando-se a luz elétrica.

9. O que acontece durante a Proclamação da Páscoa?

De acordo com Paschales Solemnitatis:

 84. O diácono faz a proclamação pascal que narra, por meio de um grande texto poético, todo o mistério pascal situado no contexto da economia da salvação.

Em caso de necessidade, quando não houver diácono e o sacerdote celebrante não puder cantá-lo, o cantor poderá fazê-lo.

As Conferências Episcopais podem adaptar este anúncio inserindo nele aclamações do povo.

10. O que acontece durante as leituras das Escrituras?

De acordo com Paschales Solemnitatis:

85. As leituras da Sagrada Escritura constituem a segunda parte da Vigília. Contam os feitos marcantes da história da salvação, que os fiéis são ajudados a meditar com calma com o canto do salmo responsorial, com uma pausa silenciosa e com a oração do celebrante.

A Ordem da Vigília restaurada tem sete leituras do Antigo Testamento escolhidas da Lei e dos Profetas, que estão em uso em todos os lugares de acordo com a tradição mais antiga do Oriente e do Ocidente, e duas leituras do Novo Testamento, a saber, do Apóstolo e do Evangelho.

Assim, a Igreja, “começando com Moisés e todos os Profetas”, explica o mistério pascal de Cristo.

Por isso, sempre que possível, todas as leituras sejam lidas para que o caráter da Vigília Pascal, que exige que se prolongue um pouco, seja respeitado a todo custo.

Onde, entretanto, as condições pastorais exigem que o número de leituras seja reduzido, deve haver pelo menos três leituras do Antigo Testamento, tiradas da Lei e dos Profetas; a leitura do capítulo 14 de Êxodo com seu cântico nunca deve ser omitida.

87. Após as leituras do Antigo Testamento, canta-se o hino “Gloria in excelsis”, os sinos são tocados de acordo com o costume local, a coleta é recitada e a celebração segue para as leituras do Novo Testamento. Lê-se uma exortação do Apóstolo sobre o Baptismo como inserção no mistério pascal de Cristo.

Então todos se levantam e o padre entoa o “Aleluia” três vezes, cada vez aumentando o tom. As pessoas repetem depois dele.

Se for necessário, o salmista ou cantor pode cantar o “Aleluia”, que o povo então toma como uma aclamação a ser intercalada entre os versículos do Salmo 117, tantas vezes citados pelos Apóstolos em sua pregação da Páscoa.

Por fim, a ressurreição do Senhor é proclamada do Evangelho como o ponto alto de toda a Liturgia da Palavra.

Depois do Evangelho, deve ser feita uma homilia, por mais breve que seja.

11. O que acontece durante a liturgia batismal?

De acordo com Paschales Solemnitatis:

88. A terceira parte da Vigília é a liturgia batismal. A Páscoa de Cristo e a nossa agora são celebradas.

Isso se expressa plenamente nas igrejas que possuem uma fonte batismal, e mais ainda quando é realizada a iniciação cristã de adultos, ou pelo menos o batismo de crianças.

Mesmo que não haja candidatos ao batismo, a bênção da água batismal ainda deve ocorrer nas igrejas paroquiais. Se esta bênção não acontecer na pia batismal, mas no santuário, a água batismal deve ser levada depois para o batistério para ser guardada durante todo o tempo pascal.

Onde não houver candidatos ao Batismo nem necessidade de abençoar a pia batismal, o Batismo deve ser comemorado com a bênção da água destinada a aspergir sobre o povo.

89. Segue-se a renovação das promessas baptismais, introduzida por algumas palavras do sacerdote celebrante.

Os fiéis respondem às perguntas que lhes são feitas, de pé e com velas acesas nas mãos. Em seguida, são aspergidos com água: assim os gestos e as palavras lembram-nos do Baptismo que receberam.

O sacerdote celebrante borrifa as pessoas passando pela parte principal da igreja enquanto todos cantam a antífona “Vidi aquam” ou outra canção adequada de caráter batismal.

12. O que acontece durante a liturgia eucarística?

De acordo com Paschales Solemnitatis:

90. A celebração da Eucaristia constitui a quarta parte da Vigília e marca o seu ápice, pois é no sentido mais amplo o Sacramento da Páscoa, ou seja, a comemoração do Sacrifício da Cruz e a presença do Ressuscitado. Cristo, a conclusão da iniciação cristã e o antegozo da Páscoa eterna.

92. É conveniente que na Comunhão da Vigília Pascal se dê plena expressão ao simbolismo da Eucaristia, nomeadamente consumindo a Eucaristia sob as espécies do pão e do vinho. Os Ordinários locais considerarão a adequação de tal concessão e suas ramificações.

Traduzido de NCRegister.com

Homilia da Soledade – Consolando o Coração de Nossa Mãe Santíssima

Hoje, sábado santo, vivemos também o dia da soledade, da Solidão de Nossa Senhora. A Virgem Santíssima encontra-se sem o seu filho, que foi depositado no sepulcro. Embora ela saiba e guarde no seu coração a firme esperança da ressurreição, ela não deixa de sentir toda dor causada pela ausência de seu amado Filho!

É dia, portanto, de estarmos na presença da Santíssima Virgem, de consolar o seu coração, de acompanhar o seu sofrimento, de prestar solidariedade, mas sobretudo de buscar alegrar o seu coração por meio de um propósito sincero de conversão.

Clique aqui e escute a homilia especial de hoje: Consolando o Coração de Nossa Mãe Santíssima!


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE