Categorias
Sínodo da Amazônia

O cardeal Ruini reza para que o papa não aprove a ordenação de homens casados ​​para a Amazônia

O cardeal Camillo Ruini concedeu uma entrevista ao Corriere della Sera, na qual manifesta sua oposição à ordenação de homens casados ​​(viri probati), onde há escassez de padres: “Renunciar ao celibato, mesmo que excepcionalmente, seria ceder ao espírito do mundo”

InfoCatólica ) O cardeal Ruini foi presidente da Conferência Episcopal Italiana entre 1991 e 2007 e vigário da diocese de Roma até 2008.

Entre as questões abordadas na entrevista com o Corriere della Sera, está a proposta do Sínodo Amazônico de ordenar homens casados.

O Sínodo da Amazônia poderia permitir que os diáconos casados ​​se tornassem sacerdotes. A impressão é que pode ser o gatilho para a abolição do celibato. Ou não é?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na Amazônia, e também em outras partes do mundo, há uma grave escassez de padres, de modo que as comunidades cristãs são frequentemente privadas de missa. É compreensível que haja um impulso para ordenar sacerdotes a diáconos casados e a maioria optou por isso no Sínodo. Na minha opinião, no entanto, é uma opção incorreta. E espero e rezo para que o Papa não o confirme na próxima exortação apostólica pós-sinodal.

Por que é uma opção incorreta?

Existem duas razões principais. O celibato sacerdotal é um grande sinal de total consagração a Deus e ao serviço dos irmãos, especialmente em um contexto erotizado como o atual. Renunciar ao celibato, mesmo que excepcionalmente, cederia ao espírito do mundo , que sempre tenta entrar na Igreja, e dificilmente se limitaria a casos excepcionais, como a Amazônia. Além disso, hoje o casamento está sofrendo uma profunda crise: padres casados ​​e suas esposas sofreriam os efeitos dessa crise e sua condição humana e espiritual não poderia deixar de ser afetada.

Isso significa que um padre divorciado seria um problema?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assim é.

Mas você já sentiu falta de ter uma família e filhos?

Viver o celibato não foi fácil para mim: é um grande presente que o Senhor me deu. No entanto, o fato de não ter filhos não tem sido difícil para mim, talvez porque tenha gostado do carinho de muitos jovens . Quanto à falta de uma família, estou muito perto de minha irmã Donata (o cardeal aponta para uma mulher sorridente na fotografia ao lado da de João Paulo II) e tenho sorte de viver com pessoas que são como família para mim ».

Continua depois da publicidade