Categorias
Santo do Dia

São Vilibrordo – 07 de Novembro

 

SANTO DO DIA – 07 DE NOVEMBRO – SÃO VILIBRORDO
Bispo (658-739)

Um monge beneditino, de pequena estatura, olhos profundos e vivos, mas de franzina e delicada constituição, compartilha com são Bonifácio o mérito de ter evangelizado a Germânia transrenana: é Vilibrordo, inglês da Nortúmbria, formado espiritualmente na Irlanda, na escola do abade Egberto, e em Ripon, uma verdadeira forja de santos.

Depois do insucesso da primeira missão, Vilfrido enviou à Frísia um grupo de 11 missionários, encabeçados pelo enérgico e corajoso Vilibrordo. O primeiro impacto com a região germânica teria desencorajado quem a ela tivesse chegado com outros fins que não fossem os de levar a mensagem evangélica aos pagãos.

Os 12 missionários desembarcaram na confluência do Escaut, entre brejos malsãos e guerreiros em debandada depois do vitorioso avanço de Pepino de Heristal, que, ao derrotar o rei Radbod, apossou-se da hostil região nórdica. Uma vitória providencial também para Vilibrordo, que pôde dirigir-se ao interior da Germânia e estabelecer contato com as populações pagãs.

Antes, porém, de dar início à evangelização, Vilibrordo quis ter o beneplácito do papa. A devoção ao papa será um sinal distintivo deste tenaz e leal “apóstolo”.

Ao voltar de Roma com o encorajamento de Sérgio I, Vilibrordo escolheu Antuérpia como ponto de partida para a irradiação das futuras missões. Antes de coordenar uma importante fundação, como criar uma nova diocese na Frísia, Vilibrordo dirigiu-se uma vez mais a Roma. E encontrou desta vez um novo papa, Gregório II, que o ordenou bispo com o nome de Clemente. Em 698, Vilibrordo fundou em Luxemburgo o mosteiro de Echternach, como ponto avançado das futuras expedições missionárias, que a partir daquele momento seria difícil enumerar.

Homem de ação e de oração, ele encarna o típico monge-abade-bispo beneditino, excelente organizador, com um acentuado senso da autoridade central. A ele se deve, de fato, a criação de bispos auxiliares que evitassem o fracionamento das várias Igrejas, com prejuízo de uma conjunta e mais incisiva atividade missionária. Morreu na abadia de Echternach, onde são venerados os seus restos mortais.

Retirado do livro: ‘Os Santos e os Beatos da Igreja do Ocidente e do Oriente’, Paulinas Editora.

São Vilibrodo, Bispo de Utrecht, Apóstolo da Frísia

Os ingleses, vindos da Germânia, e convertidos à fé católica pelos missionários do Papa Gregório, encheram-se de zelo e puseram-se a converter os povos dos quais se originaram, a começar pelos frisões, que eram os mais próximos.

Santo Egberto, nobre inglês, que se retirara para a Irlanda, e abraçara a vida monástica, em 686, resolveu ir à Frísia, mas, à última hora, abandonou o projeto, pondo-se a trabalhar ativa e utilmente na reunião dos irlandeses cismáticos.

Wilgberto, um dos companheiros de Egberto, que vivia desde muito na Irlanda, levou a vida de anacoreta numa grande perfeição, embarcou para a Frísia, e durante dois anos pregou o Evangelho àquela nação e ao rei Radbod. Percebendo que fruto algum lhe vinha do imenso trabalho, tornou à Irlanda, para, em silêncio, servir a Deus e aproveitar, pelo menos aos seus, o exemplo.

Santo Tgberto, vendo que o companheiro conseguira da Frísia, experimentou enviar para lá homens zelosos e virtuosos. E escolheu doze, dos quais o principal era São Vilibrodo, inglês, nascido na Nortúmbria, em 658. O pai chamava-se Wilgis e era extremamente piedoso, tendo deixado o século e abraçado o estado monástico, fazendo-se ermitão mais tarde. Na velhice, tendo fundado uma pequena comunidade entre o oceano e Humbert, passou a dirigi-la. Honrado entre os santos, no mosteiro de Epternach, na diocese de Tréveris, é nomeado no calendário inglês. Alcuíno, amigo de Carlos Magno, deu-nos sua vida, bem como a do filho Vilibrodo.

Vilibrodo ainda não completara sete anos e já o pai o enviava ao convento de Ripon, onde ficou sob a direção de São Wilfrido e abraçou a vida monástica. Assim, aos vinte anos, com o consentimento do abade de Ripon, conseguiu permissão para ir à Irlanda: queria aperfeiçoar-se ao pé de Santo Egberto. Era padre, e estava com trinta anos, quando foi enviado à Frísia por aquele santo, que viveu até o ano 729 e morreu com 90 anos, aos 24 de abril, dia em que a Igreja lhe honra a memória.

Chegados que foram à Frísia is doze missionários, em 690, foram otimamente recebidos por Pepino, duque dos francos e presidente do palácio, cognominado de Héristal, que ganhara de Radbord as graças e uma parte da Frísia, parte que ficava entre o reino e o Mosa. Foi por isso que os enviou, aos doze, para ali pregar, dando-lhe a proteção de que necessitavam, concordando que chamassem à fé quem quer que fosse: pouco depois, um grande número de idólatras era convertido.

Com o tempo, os missionários escolheram Swidberto, um dentre eles, para ser ordenado bispo. E, na Inglaterra, por São Wilfrido, então arcebispo de York, foi elevado àquela dignidade.

Ao retornar, na Germânia esteve o novo prelado entre os povos das vizinhanças de Colônia, e a muita gente converteu.

Pouco tempo depois, todavia, aqueles convertidos se viram obrigados a dispersar-se, pela pressão saxônia, e São Swidberto foi ter com Pepino, que lhe deu, para retiro, uma ilha no Reno, onde, então, o bispo ergueu um convento, a que chamou Verden, e depois Keiserswert, que quer dizer Ilha do Imperador. São Swidberto morreu no ano de 713.

São Vilibrodo, com os demais missionários ingleses, trabalhava com sucesso na conversão dos frisões, sob a benéfica sombra de Pepino. Lá pelo ano de 692, por Pepino mesmo, foi o santo enviado a Roma, para receber do Papa Sérgio a benção apostólica e trazer santas relíquias.

Ao regressar, continuou pregando aos frisões, submetidos aos francos, e, pouco mais tarde, tornou a Roma com presentes e cartas de Pepino, que rogava ao Papa lhe ordenasse Vilibrodo bispo de seu povo.

O Papa Sérgio consagrou-o arcebispo dos frisões, na igreja de Santa Cecília, no dia mesmo da festa desta santa, aos 22 de novembro de 696. E, dando são novo arcebispo o pallium, deu-lhe também novo nome, o de Clemente, em lugar daquele Vilibrodo bárbaro, nome pelo qual, todavia, é mais conhecido até hoje.

Enviado pelo Papa ao seio do seu povo, não ficou o santo mais do que quatorze dias em Roma. De Pepino, recebeu o lugar onde, então estabeleceu a sede episcopal, na cidade hoje denominada Utrecht. São Vilibrodo ali erigiu uma igreja, a igreja de São Salvador, que passou a ser o centro do episcopado.

Como convertera grande número de fiéis, de todas as partes, durante cinqüenta anos de pregação, acabou fundando muitos conventos, erigindo várias igrejas e fez com que se ordenassem novos bispos.

Um dia, resolveu pregar o Evangelho na parte da Frísia que vivia sob o governo de Radbod, e o príncipe recebeu-o com muitas honras. Dali, passou São Vilibrodo à Dinamarca, cujo povo, muito feroz, era comandado por Ongende, mais cruel que a mais cruel das feras.

Ongente recebeu-o com certa complacência, mas por pouco entre os dinamarqueses esteve o santo, vendo que fruto poderia esperar daquele país. Contentou-se, então, com a boa vontade de trinta jovens, reuniu-os e retornou à França. E, pensando nos acidentes que pudessem surgir de tão longa viagem, instruiu-os e batizou-os em caminho.

Nos confins da Dinamarca e da Frísia, há uma ilha, na embocadura do Elba, que agora tem o nome do seu deus Fosite. Os pagãos veneram-na e não ousam tocar em animal algum que ali vive; nem falar sequer de tirar água duma fonte que irriga aquelas terras. Ora, aconteceu que São Vilibrodo, atirado por uma tempestade, ali foi ter e passou alguns dias, à espera de tempo favorável para reiniciar a viagem.

Três homens, batizou-os na fonte, e pediu que lhe matassem qualquer caça para a alimentação. E os pagãos ficaram na expectativa: ao comer daquela carne, se o santo homem não morresse subitamente, de ficar louco furioso na escaparia. Nada disso, porém, sucedeu. Maravilhados, fizeram chegar a Radbod, o acontecido. O príncipe, querendo vingar os deuses, fez lançar a sorte três vezes por dia, durante três dias, segundo velha superstição dos germanos, sobre o santo bispo e os companheiros. Como a sorte lhe foi desfavorável, livrando o santo do martírio, limitou-se a recriminá-lo, dizendo-lhe que só fizera por lhe menosprezar a religião. E o santo bispo retornou a Pepino, sendo recebido alegremente.
São Vilibrodo, continuou a pregar na Frísia submetida aos francos. Contam-se dele muitos milagres. Na ilha de Valcheren, na Zelândia, como quisesse destruir um ídolo, recebeu do guarda um golpe de espada na cabeça, mas nada lhe sucedeu. Os que o acompanhavam, desejosos de punir aquele atentado, foram contidos pelo santo, que livrou o guarda das mãos dos que se exaltaram com aquela maldade; conta-se que, três dias depois, o guarda do ídolo morria miseravelmente.

A reputação de São Vilibrodo atraiu à Frísia a São Vulfran, para trabalhar na mesma obra. Nascera em Maurillac, atualmente Milly, em Gatinais, da qual o pai era senhor, e doou as terras ao mosteiro de Fontenelle, em 685. Foi eleito arcebispo de Sens, depois da morte de Lambert, em 690, passando a governar aquela igreja por algum tempo. Recebeu, então a inspiração que o levou a Frísia para pregar.

Antes, porém, passou Vulfran por Rouen, para encontrar-se com Santo Ansberto, que, tendo sido abade de Fontenelle, era ainda como o pai daquela comunidade.

Cin São Vulfran, de Rouen, foram alguns monges ajudá-lo a pregar na Frísia. Embarcados, entraram pelo Sena e ganharam o oceano. Como estavam perto da costa de Morins, hoje de Flanders, e chegara a hora de oferecer os santo sacrifício, deitaram-se as âncoras e imobilizaram o barco. O santo bispo, celebrando a missa, aproximou-se do diácono, que lhe estendia a patena. O diácono era Vaudon, monge de Fontenelle, depois abade. Prosternado, eis que, de repente, escapando-lhe das mãos, foi o objeto cair ao mar.

São Vulfran, imediatamente, pôs-se de joelhos, e após ter orado, por algum tempo, pediu ao diácono que enfiasse as mãos na água, justamente no lugar onde a patena havia caído. E a patena, do fundo do mar, veio direito às mãos de Vaudon. Todos os assistentes, maravilhados, louvando a Deus, com unção assistiram à continuação da santa missa rezada pelo grande santo.

A patena foi conservada em Fontenelle, bem como o cálice e o altar que serviam àquela missa.

Chegando a Frísia, São Vulfran iniciou a pregação, e passou a converter muita gente. Batizou entre outros, o filho de Radbod. Era costume, entre aqueles pagãos, fazer morrer, em honra dos deusesm aquele sobre o qual caísse a sorte. Como levassem à morte um jovem chamado Ovon, São Vulfran pediu ao príncipe que lhe desse a vida daquele que ia morrer. E estava prestes a obtê-la, quando os pagãos se opuseram, dizendo:

– Se teu Cristo puder livrá-lo da morte, Ovon será teu pelo resto da vida.

O santo aceitou a condição. E Ovon foi levado à força, onde ficou pendendo da corda por duas horas, enquanto São Vulfran, ajoelhado, fervorosamente orava a deus por aquela vida. A corda, rompendo-se, deixou cair o corpo do infeliz. Por ordem do santo, Ovon, então desfalecido, ergue-se, cheio de disposição e saúde.

O supliciado, mais tarde, contou que, enquanto jazia pendurado, sentiu um sono insuportável e tinha a impressão de que os sustinham pela cintura. Batizado, foi monge em Fontenelle, deixando no mosteiro muitos títulos e muitos livros que escreveu.

São Vulfran livrou muitos mais da morte.

Um dia, a sorte caiu sobre dois meninos, filhos duma pobre viúva, um com sete, outro com cinco anos. Iam ser lançados ao mar, porque várias eram as maneiras de imolar as pobres vítimas.

Foram, pois, os dois irmãos lançados ao mar, quando da Mara alta. O mais velho, lutando por si e pelo irmãozinho, que se lhe agarrara ao pescoço, debatia-se terrivelmente e tudo fazia para ganhar a praia, mas tudo era em vão.

O príncipe e os pagãos todos, do alto duma grande rocha, assistiam, impassíveis, à horríveis cena que se desenrolava nas águas do oceano.

São Vulfran, quando soube da tragédia, correu a pedir ao príncipe aquelas pobres vidas. E o príncipe disse:

– Terá o teu Cristo poder para conservar a vida aqueles dois? Se tiver, serão teus.

São Vulfran caiu de joelhos e pôs-se a irar com o maior fervor. E o que se viu maravilhoso; o mar, agitado, foi-se acalmando, e a maré, que era alta, baixou repentinamente, deixando na praia os dois pobrezinhos prestes a morrer.
A mãe, desolada, debulhada em lágrimas, recebeu os dois das mãos do santo, já batizados. E uma grande multidão se converteu.

Durante a vida, São Vilibrodo batizou Pepino, filho de Carlos Martelo e pai de Carlos Magno,, e predisse aos discípulos a futura grandeza do menino.

O Santo morreu em 738 e foi enterrado em Epternach, onde milagres não cessaram de suceder, relatados por Alcuin, que os cita a muitos.

(Vida dos Santos, Padre Rohrbacher, Volume XIX, p. 229 à 237)