Categorias
Aborto

Confirmado: bebê da mãe de 10 anos foi assassinado

 

De acordo com a deputada Clarissa Tércio que está em frente ao hospital, foi comunicado aos presentes que a menina de 10 anos, vítima de estupro pelo tio, já passou por procedimento de aborto.

Para que não fosse necessário assassinar o bebê após o procedimento, foi injetado no coração da bebê, que possuía aproximadamente 5 a 6 meses, uma solução cloreto de potássio para que pudesse retirar a vida do bebê. Relatos de especialistas afirmam que o bebê morre com graves queimaduras, portanto uma morte cruel.

Em nota a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco confirmou que o procedimento de interrupção da gravidez da criança capixaba de 10 anos e informou que o quadro de saúde da menina que segue internada é estável.

Dezenas de cristãos, membros de comunidades católicas, padres, seminaristas e ativistas pró-vida estiveram em frente ao Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (CISAM-UPE), no Recife, lutando em defesa da vida, para que as duas vidas fossem salvas.

Sobre o caso

Uma menina de 10 anos, natural do interior do Espírito Santo, foi abusada pelo tio e engravidou. Ela está com 22 semanas de gravidez, ou seja, quase 6 meses de gestação.

Um juiz do seu estado autorizou que o aborto fosse realizado, mesmo tendo passado o tempo previsto em lei para a prática.

Porém a equipe médica do hospital local se recusou a realizar o procedimento, pois além de ser crime, devido ao tempo de gestação, seria muito arriscado para mãe e para a bebê, que é uma menina.

Para muitos médicos, se o aborto fosse feito agora, poderia causar a perda do útero da garota ou a morte de ambas. A melhor opção seria esperar mais algumas semanas para fazer uma cesárea e salvar as DUAS VIDAS.

No entanto, a menina foi levada para um hospital do Recife, por meio de um jatinho fretado, para a realização do aborto.

Grupos em defesa da vida estão neste momento na frente do hospital em intercessão na luta pela vida da mãe e da bebê!

Até o momento, não se sabe se o procedimento ocorreu, mas segundo testemunhas, o médico e a menina estão dentro do hospital. Rumores também de que a equipe médica do hospital teria se recusado a fazer o procedimento e estariam esperando o novo turno começar e a multidão se dispersar.

POR: CHURCH POP