Categorias
Mundo

Bispos reconhecem o pró-aborto, Biden, como presidente e exaltam sua catolicidade

 

Dom Gomez falou em nome da Conferência Episcopal Norte-Americana: “Parabenizamos o senhor Biden e reconhecemos que se une a John F. Kennedy como segundo presidente dos Estados Unidos a professar a fé católica”.

O arcebispo de Los Angeles e presidente da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, Dom José H. Gomez, divulgou uma nota após projeção de vitória de Joe Biden nas eleições do último dia 3 de novembro. Afirmou que “o povo americano se expressou nestas eleições” presidenciais de 2020.

Em 7 de novembro, Gomez recomendou a usual “unidade”, “diálogo”, “compromisso”, “amor”, “fraternidade” etc.

Ele reconheceu e parabenizou Joseph Biden como o 46º Presidente dos Estados Unidos, chamando-o de “o segundo Reino Unido Presidente dos Estados para professar a fé católica ”.

Joe Biden embora afirme ser católico, apóia posições que contradizem os ensinamentos da Igreja, como o aborto, o casamento homossexual e a ideologia de gênero.

Leia também
Padre desafia candidato abortista que se declara “católico fiel”

Biden, candidato pró-aborto, se autoproclama presidente dos Estados Unidos, Trump vai redobrar a batalha nos tribunais

Após cinco dias de contagem dos votos, nenhum estado terminou ainda, a Associated Press (AP), NBC, Fox News, ABC e outros anunciaram que Biden será o novo presidente, garantindo que os democratas tiveram gado nos estados da Pensilvânia e Nevada.

O presidente Donald Trump não admitiu vitória, anunciando que na segunda-feira seria apresentada uma bateria de recursos em vários estados, direito que o auxilia. Vinte anos atrás, o candidato democrata Al Gore também não reconheceu a vitória de Bush até 14 de dezembro.

Apesar das contínuas acusações ao presidente Trump sobre a questão do controle da pandemia, o vírus COVID-19 deu uma pausa e permitiu concentrações massivas em diferentes cidades do país que celebraram a vitória democrata. Refletindo a divisão da sociedade, também houve manifestações massivas de eleitores de Trump, absolutamente pacíficos, negando mais uma vez aqueles fãs que viam a não aceitação como um chamado à violência.

Os membros do colégio eleitoral emitirão formalmente seus votos no dia 14 de dezembro, e então são contados formalmente no dia 6 de janeiro na Câmara dos Representantes.

Leia também
Padre divulga lista de políticos pró-aborto que estão proibidos de receber a comunhão

O direito à vida de milhares de concebidos está em perigo

Biden será o segundo católico batizado a ser eleito presidente dos Estados Unidos. depois John F. Kennedy.

Ele se comprometeu durante sua campanha a reverter as proibições de ajuda estrangeira a grupos que promovem ou realizam abortos e a rescindir as proteções à liberdade religiosa desfrutadas por grupos que se opõem ao mandato federal de anticoncepcionais em relação ao seguro. de saúde. Ambos podem ser feitos por ordem executiva.

A campanha de Biden também prometeu consagrar proteções para o aborto na lei federal e transformar proteções poderosas de identidade de gênero em lei. É improvável que essas medidas sejam promulgadas se os republicanos controlarem o Senado.

Antes da eleição, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, prometeu derrubar a Emenda Hyde, uma proibição de longa data ao financiamento federal do aborto. Resta saber se esse esforço vai parar na próxima rodada de projetos de lei do orçamento federal.

Não é de admirar que um dos primeiros cumprimentos a Biden seja da empresa multinacional de aborto Planned Parenthood.

Você votou pela mudança. Você votou em seu futuro. Você votou em Joe Biden. O trabalho apenas começou. Hoje nós o celebramos; amanhã, vamos trabalhar »

Leia também
Padre nega comunhão ao candidato pró-aborto à presidência dos EUA